26.12.11

A Perfect Idiot

I wanna be crazy,
I sell my soul,
I wanna Whisky,
I need your control.

I have a dream,
I have a ghost,
I had good times,
But you're lost.

Because you are
A perfect idiot,
Because you are
A perfect idiot.

Sometimes I'm alive.
Sometimes I die.
Because you have best of the lie.

Money is money,
The job is mine,
The diamond is blue,
And I'm fine.

I find my mind
I sell my soul
I wanna your sins
I need Rock'n Roll.

They can be honestly with me,
They can tell me the truth,
I will always be open,
Seeing your mouth.

I have wings,
I have a life,
I have eyes,
I have a slice
Of the hell in my head.
Of the hell, on my health.
Where can you be tomorrow?
Oh yeah, tomorrow yeah.

Because you are
A perfect idiot.
A perfect idiot is what you are.

By: AyKe.Heinedef.




Pedidos

A tantas coisas para se pedir...
Queria tomar um banho de chuva,
Passar o natal com uma família inteira.
Sorrir como tantos outros que sorriem com vontade.
Queria tomar toda a luz do sol,
Passar o Natal com minha mãe,
E poder sorrir como tantos outros que sorriem com vontade.
Queria poder fazer tudo certo,
Entender o que se passa na cabeça,
Dos outros que dizem ser minha família.
Queria ao menos uma vez,
Poder sorrir sem me preocupar,
Se estou bem sem me odiar,
Por esquecer de tomar algum remédio.
Mas deveria é agradecer,
Agradecer por estar vivo,
Por ter o que comer,
Ou por ter alguém ainda que me sustente.
Eu não padeço em uma cama de hospital,
Eu não padeço sem ninguém no mundo,
Apesar das vezes achar isso.
Não tenho que reclamar de nada.
Enfim eu acho que sou alguém que presta,
Enfim eu acho que sou alguém diferente,
Não em tons de cabelos, mas aqui dentro.
Que nesse ano as pessoas aprendam,
Ao menos em um único dia dentre os mais de 300,
A viver como se fosse o último,
Sem fazer nenhum plano.
Queria tantos presentes,
Alguns até impossíveis de se ter,
Mas você me faz um único favor? 
Nunca se deixe abater.

By: AyKe.HeineDef.

Feliz Fim De Mundo!!!!!

23.12.11

Para Todo O Sempre

Feito em 20 de Dezembro de 2011...
Isso era para todo o sempre?
Pena que não avisaram os dois lados.
Pena que os dois lados não aprendiam,
A viver na espontaneidade do amor.
Verdades mentirosas e criadas,
Vividas na plena sorte de alguma coisa.
Agora um dos lados já cansou de tentar mudar,
O outro lado que sabia o que era amar.
Agora um dos lados muda a si mesmo,
E deixa tentar o outro lado esquecer o tudo vivido.
Quem sabe isso seria o todo sempre,
Se um dos lados abrisse mão do que faz,
E o outro lado aprendesse a se controlar.
Mas não é mais para o todo sempre.
E o tempo vivido não foi perdido,
Isso não é mais um todo o sempre,
Virou apenas mais lembranças de um passado.
Para todo o sempre lembrarei do vivido.
Um dos lados mudou e encarrou a sua verdade.
A verdade da solidão necessária. 
O tempo é curto.
Quem sabe nem exista mais tempo.
Necessária solidão,
Para todo o sempre não existe.
Isso é para todo o sempre?
Sim, para todo o sempre.

By: AyKe.Heinedef.

17.12.11

Para Ayke Aera

Esquizofrenia.......
Oi querido Ayke Aera,
Esse ano não poderia acabar sem eu dizer a você adeus.
Mas um adeus por tudo feito até então,
E um adeus por todo o trabalho bem feito.
Você não me levaria a nada mesmo.
Não estou assumindo os meus negócios,
Não me ache louco por falar comigo mesmo.
Mas querido Ayke Aera acabou seu tempo.
Vou dar uma segunda chance a alguém já conhecido,
Mas apagado de tantos textos já publicados.
De hoje em diante você seguirá os rumos de minha vida,
Seja bem vindo querido Ayke Heinedef.
Bom quanto a você Aera, você deve dormir.
O dia de hoje e minha vida agora,
É de Heinedef.
Então espero que gostem do que verão por aqui.
O momento Aera passou, 
Volta ao momento Heinedef de ser.

By: Vinicius André.

15.12.11

Darwin Agradece

Feito em 09 de Dezembro de 2011...

O que eu
Sinto nesse momento?
É a mesma
Alegria de renascer do nada.
O mesmo
Momento de ser
Alguém feliz.
Quem sabe
Seja o meu momento,
Ou apenas
Mais uma fase
Passageira do verão.
Não peço que você me salve
Do que me tornei.
Não peço
Mais nada
A você.
Não peço
Que me
Ame ou
Me odeie,
Não peço
Mais nada hoje.
Agradeço
Pelo meu
Cabelo liso.
Pela loucura
Da vida
E da pausa.
Agradeço
Por tudo
Que acho
Correto,
Mesmo assim
Posso estar errado.
O meu
Correto é
Ser torto.
O meu
Correto
É louco.
Nem um tanto,
Nem outro.
Apenas o garoto
Sem dúvidas
Do planeta Marte.
Não peço
Que me adote,
Ou que
Padeça sem alguma fé.
Não peço
Que siga
Minhas idéias,
Ou as faça
Seu lema
De viver.
Não peço
Mais nada
Para esse verão.
Não peço
Que eu mude
De vida,
Apenas peço
Que não
Padeça.
É nesse instante
Que me divirto.
É para isso
Que nasci.
As tardes
Do gramado.
As noites
Enjauladas.
Tudo que faço
É agradecer
Pelo tudo,
Por ser
Correspondido
Pela mente.
Não peço
Que me
Entenda
Ou me compreenda,
Não peço
Que aceite
Minhas opiniões
Sem contradição,
Apenas peço
Que dê mais
Valor a tudo
Que vê, e não
Despreze tão facilmente
Pelo primeiro olhar.
Eu me julgo capaz,
Mas quem
Não se julga?
Quem não
Se controla
Ou se maltrata só?
O porquê
Das confusões?
Não peço
Por mais nada.
O caminho
Do sol
Do verão encantado.
As pedras
São quentes,
As brisas
São mornas.
O caminho é
Feliz e meio complicado.
Agradeço
Por mais um ano
De nada e tudo.
Agradeço
Por poder viver
Sem minha dor
Na alma.
Agradeço
Por poder
Viver na verdade.
Os milagres,
E os ensejos.
Não te peço
Que aceite tudo
De coração,
Pois hoje
Quem o possui
Não vale nada,
Peço-te
Que compreenda
A situação,
Quem se perde
Um dia te dá na cara.
Cansei de perdão.
Quero mais que tudo exploda.
Cansei de piedade
Onde ninguém tem.
O mundo é novo.
A era é da poesia.
Não sei onde posso me esconder.
Esse mundo nem mais nosso é.
Já dizia Darwin:
O mais forte prevalece.
Quem pode me fazer feliz
Onde não existe felicidade?
Não peço que compreenda.
Não peço que decifre.
Não peço mais nada
Para esse ano.
Agradeço por você
Ter chegado até aqui.
Agradeço por fazer
Sempre a diferença.
No mundo do normal
A diferença é moeda,
De troca por algo
Grandioso e abusado.
Não peço que concorde
Com minhas idéias.
Não peço. Agradeço.
Onde o verão acaba com uma vida,
Onde os pôneis malditos ditam a lei,
Agradeço por ter chegado aqui.
Não espero que compreenda.

By: AyKe.AeRa.

7.12.11

Sentimento De Nada

Feito em 02 de Dezembro de 2011...


Olhar vazio. Alguém pode entender?
Você se arrepende. Agora já é tarde.
Todos buscam o porquê das coisas.
Todos querem e não sabem como fazer.
Hoje me sinto um nada. Um nada bom.
Um nada de nada, mas um nada bom.
Eu posso ser aquele momento vazio sem fé.
Um momento sem escolhas ou explicações,
O vazio de onde na água não se dá pé,
Um esqueleto, sem razão e emoção.
Sua fé pode lhe salvar de uma vida,
Misera de compaixão, e dos pecados,
De algo que até mesmo minha mente duvida,
De algo de um ser ou de um condenado.
Eu sou tudo aquilo que sempre fui.
Eu serei tudo aquilo que você sonhou.
Eu sou fraco, sou meio zonzo,
Posso cair ou te derrubar no chão.
Posso não prestar, posso acreditar,
Que vivo e sou alguém sem nexo ou direção.
Você ao menos reconhece o que é?
Você ao menos não agrediu ao mundo hoje?
Você ao menos parou para pensar nas conseqüências de suas armas?
Certo. Direito pode ser esquerdo.
Duvidoso. Você é aquilo que tanto se contradiz.
Eu odeio tudo aquilo que eu faço.
Como posso amar o desconhecido e a imperfeição.
Hoje sou um nada, um lixo sem valor.
Amanhã serei o mesmo que hoje.
Não me evite por ser assim tão diferente,
Que nunca me encaixo em algo assim tão anormal.
Quem sabe sejam minhas ficções que eu escrevo,
Que estejam me fazendo mal.
Hoje sou um nada, mas não entenda.
Ontem eu nunca fui alguém sem valor.
Mas hoje acordei um nada e não adianta,
Ninguém me manda parar de me culpar na dor.
Eu quero ser isso. Eu preciso ser um nada.
Eu quero enlouquecer e depois te despejar na cara,
Eu sou aquilo que o mundo não precisa.
Eu nunca fui aquilo que o mundo precisou.
Se você um dia usar minhas palavras ou idéias ao menos não minta,
Mostre minha cara que de onde eu estiver sorrindo estou.
Não brinque com alguém que está prestes a perder a vida.
Ou o desamor de viver por sobre a Terra.
Se eu estiver errado você me diga:
Eu ao menos lhe dou algo que você espera?
Cansei de viver esse jogo infantil.
Tentando aparecer ou tentando não me aceitar,
Se eu nasci doente ou esquizofrênico,
Você não tem nada a ver ou ter que aceitar.
A vida pode ser minha. Esses textos são meus.
O sentimento do nada é meu.
Não busque por idéias soltas,
Você pode perder ou se enganar.
Busque pelo completo. Qualquer coisa só me chamar.
As buscas podem ser incertas.
Um fracasso sem ninguém a me olhar.
Mas se eu der um simples passo,
Você perde. Não tem nada do que falar.
Faltam alguns momentos recheados,
De palavras soltas no ar.
Preparadas de sentimento de nada.
Não se esqueça isso tudo é meu.
Essas idéias são todas minhas.
Sentimento de nada. Posso ser completo hoje.

By: AyKe.AeRa.

5.12.11

Morrer Por Meu Jesus

“Existem muitas maneiras de cometer suicídio. Os que tentam matar o corpo ofendem a Lei de Deus. Os que tentam matar a alma também ofendem a Lei de Deus, embora esta falta seja menos visível aos olhos do homem” Paulo Coelho

Conversa Com A Lua

Feito em 30 de Novembro de 2011...
Na noite ele é luz, ele dança, é escuro.
Ele lhe caça, lhe incomoda, lhe faz cair do muro,
No vento ele é paz, ele é a lua, a carcaça.
Na trapaça, ele disfarça, ele devora, ele abraça.
Cuidado com quem você anda meu filho,
Disse-me um padre, temendo morrer.
Não nos mostram as escolhas,
Os fracassos, as acertos,
Ou alguma coisa verdadeira e qualquer.
Cansei de ser enganado, e ter que juntar meus pés para rezar.
Cansei de tentar, e me chamarem de fracassado,
Mesmo sabendo de tudo que posso mudar.
A lua é minha amiga e mãe,
Quem sabe quantas vezes nos deparamos a sós no escuro,
A cantar, a dançar, a gritar, a observar um ao outro.
Eu quero e pretendo me entregar esta noite,
A tudo aquilo que eu acho correto,
Não importa a mim a opinião de um incerto,
Homem crente na religião do passado.
Nossas escolhas dizem muito sobre nós.
Alguns escolhem ficar na mesmice,
Pois nasceram tão normais e sem voz.
Alguns criticam o mundo e as pessoas,
Mas não ouvem as críticas ou ao mundo,
Esperam sentados ou dançando,
Para o mundo acabar.
Alguns ainda tentam achar nos outros,
Aquilo tudo que eles sempre culparam e julgaram,
Algo que sempre quiseram ser e não conseguem ganhar.
Ganhar ninguém ganha nada,
O sofrimento é a melhor forma de se conquistar.
Alguns fazem a diferença,
Mesmo fazendo o mundo acabar.
Ao menos fazem algo e usam da inteligência,
Não esperam serem testados para alguma coisa achar.
A ponto de tudo ser pecado,
Da igreja perdoar à um padre e desprezar o molestado,
Esperando a justiça divina terminar.
As vezes me sufoco com o ar,
Dos jovens burros e adormecidos sem nada à conquistar.
Mas olho para você minha lua,
Que me ajuda a escrever e a desabafar,
A lutar por meus objetivos,
E nunca desistir ou fracassar.
Se fracassar eu sei que posso,
De alguma forma consertar,
No dia que eu for perfeito,
Pode a terra me enterrar.
Sim querida lua. Cansei de acreditar no inferno.
O inferno é aqui embaixo,
Uma competição do eterno.
Onde lutam-se para sobreviver,
Ou não sair da mídia,
Por mais podre que forem os meios,
Ou pela mais idiota saída.
Sempre acreditei naquele padre,
Mas hoje cheguei a conclusão:
E com os tonéis já tão cheios,
Ele ainda se propõem a escaldar,
Tantas pessoas trouxas e medianas,
Que sem pele não param de sangrar.
Alguns criam cascões,
Outros são comidos pelos vermes,
Alguns saboreiam um banquete,
De olhos, ossos e epidermes,
Bem Vindo ao Inferno! Isso tudo é mentira, lua!.

By: AyKe.AeRa.

Assustando Você

"Eles não podem me assustar, se eu assustar eles primeiro."
(Lady Gaga)

Fábrica Do Mau

Feito em 28 de novembro de 2011...

Olhei para o céu. Ele é azul, ao contrário do pensado.
Olhei pro chão ele é marrom, ao contrário do pensado.
Olhei para mim, eu sou vivo, ao contrário do pensado.
Acordei daquele sonho, no qual eu chamava-o de vida.
Olhei e me importei. Agora eu posso pensar na liberdade.
Posso ver além do compreensível,
E questionar a verdade absoluta de tudo.
Eu sou aquilo que faço,
E não aquilo que deixo de fazer.
Eu sou aquilo que eu penso,
E de nada te importa ou te faz querer ser.
Tantos vivem mais, e não crescem,
Chamam-nos de revoltados por não acreditar nas verdades,
Mas no fim irão ver que estavam equivocados,
E quem sabe acordem para a realidade.
A realidade é a melhor maneira de se viver.
É a mais verdadeira de todas as verdades.
Não preciso rimar palavras,
Ou fazer versos tão complicados,
Pois o compreensível é tudo aquilo acordado,
Não o que se escreve no escuro.
A fantasia é uma farsa infantil,
Onde tudo que eu disser ser verdadeiro pode não ser,
Onde um cavalo branco vira um dragão,
E onde nós voamos sem termos assas.
Prefiro viver na realidade,
Onde todo o feito me traz conseqüências,
Do que condenar minha vida,
Acreditando ser alguém que não posso.
Se me fizer ser alguém real,
Com os mesmos problemas de sempre,
Ficarei na mesmice de ser alguém condenado,
A nunca mudar minha vida,
De não ter nada que é meu, e ser um escravo.
Gosto de provar os problemas novos,
Gosto de viver sem um passado,
Gosto de fabricar as palavras,
E de amar o mundo, mesmo sem ser amado.
Quero ser alguém, por isso não paro,
Não tenho tempo pra brincar de ciúme,
Não tenho tempo pra brincar de acreditar,
Não sou aquela pessoa tão ingênua,
Ou tão maluca que te fiz acreditar.
Eu conheço o que não posso.
O que eu posso sempre estou descobrindo.
Alguém me disse algumas vezes,
Que nunca ficasse na mesmice,
Que inventasse algo novo no novo,
E que nunca padecesse da burrice.
O mundo anda tão adormecido,
Sempre esperando o melhor do que irá chegar,
Pena que nunca serão ouvidos,
Pois é no agora que se faz o mundo mudar.
O melhor do mundo é aquele que pode enxergar,
Oportunidades onde elas não existem.
Posso não existir, mas posso ser possibilidade.
Posso ser o que você quiser.
Mas não me leve para a maldade.
Pois digo tudo, mas sou livre,
Da sua falta de credibilidade.
Posso nascer um fracassado,
Mas mesmo assim serei lembrado,
Por isso tudo que escrevi.
Obrigado por ter me fabricado,
Neste lugar onde nunca quis existir.
Acorde para a vida criança. O que você quer não é morrer? Fraco.

By: AyKe.AeRa.

Twice

"As pessoas de dupla personalidade usam a melhor pra te conquistar" (Samuel Siqueira Ramos)

Como saber quando você é alguém,
Ou quando você é outro, meio alterado?
Podemos ser quem nós quisermos ser.
Quem nos conhece realmente pelo completo?
Hoje resolvi apenas ser outro.
Hoje estou dando um tempo a mim mesmo.
Hoje vi que o amor não se fabrica,
Mas é apreciado naquelas pequenas coisas.
Hoje resolvi acordar sendo outro.
Resolvi ver a vida diferente.
E não mais esconder aquele velho amigo no quarto,
Esperando a chegada para ser melhor.
Aguardo minha vez, de ser alguém.
Aguardo o meu momento de glória, nessa sala de espera vazia.
Sim. Eu estou de porre hoje.
Sim. Eu não fui eu mesmo ontem de madrugada.
Sim. Eu sou diferente daquele garoto impecável,
Aquele garoto inteligente e louro escuro amável.
Hoje percebo que tudo em mim tinha que ser assim.
Aguardo a minha vez. Tantos já se foram.
Twice. É isso que sou hoje.
Mas não por dúvidas. Dúvidas eu não tenho mais.
Sou dois por ser apenas dois.
Não gosto de viver sem minha esquizofrenia monarca.
Bélico, nuclear e fogo.
Guerra, um Jesus, e você crucificado.
Não temos mais nada a perder.
O mundo não acaba amanhã? Tantos não estarão dançando?
Alguns com seus exércitos ao nada,
Outros nos bueiros condenados a sobreviver.
Como podemos acreditar nessa nova moda do preto?

By: AyKe.AeRa.
Feito em 26 de Novembro e 02 de Dezembro de 2011.

2.12.11

Borboleteando

Feito em 21 de novembro de 2011...


Rompe-se o casulo. O efeito camurça sai.
Suas asas são tão abstratas, tão anormais.
Mas ele pode agora cruzar o céu.
A bela borboleta manifesta no ar,
Uma estranha emoção de alguém sem correntes.
Ela rompe aquilo tudo já previsto, ou normalizado.
Ela rompe tudo aquilo aprendido, ou idealizado.
Quem sabe esperasse por esse momento novo.
Ou quem sabe nunca pensasse nas esquinas já passadas.
Jogado nas ruas como um mendigo,
Nas esquinas da vida, solitário a se defender e a lutar,
Quem nunca caiu no chão em prantos a chorar,
Depois levantou como no espanto,
Recompôs-se e voltou a dançar,
A dança da vida, que quem não dança, dança.
Quantos pesados desaforos e casulos,
Carregamos sem precisar de ajuda,
Sem olhar para trás no caminho percorrido,
Sabendo das esperas.
Tudo sempre valerá à pena. Tudo é belo e infinito.
Então após o tudo abrimos nossas assas,
Verdes, azuis, amarelas ou monarcas,
Pois sabemos o que somos, e o que fizemos para ser.
Mas essa é a vida dos pequeninos nichos de cultura.
Somos as borboletas do amanhã,
Somos os casulos do hoje ontem.
Nossas assas são programadas a abrirem,
Na hora certa, no céu azul certo, para o dia certo,
Como em uma canção infinita de amor.
Todos somos lagartas, principiando a beira do caos.
Todos nós somos monarcas, da instituição da bela Bauhaus.
E nascemos desse jeito sem nenhuma explicação.
Por que o infinito é sem fim,
E por que o universo toma sua decisão?
Algo além de esplêndido é a luz da liberdade.
Algo de além de assustador é a perca da sinceridade.
Com nossas assas ainda abertas, com a vida podemos ser,
Com nossas assas ainda abertas, com a vida aprendemos ser,
Algo melhor que um casulo,
Algo melhor que um borboletear.
Saímos sufocados do inferno, para aprendermos a voar.
Alguém aí vende a lição em latas?
Alguém aí aprende a dizer o que pensa por cartas?
Quero beijar o mundo com as asas,
Da liberdade do infinito complexo,
Pois quem não cola não aprende o léxico,
 De aprender a voar. Abrir as asas e se jogar.
Quando se aprende a viver na liberdade,
Não se experimenta o caos de um casulo.
A vida pode ser a glória do hoje.
Andamos pela rua sem preocupação,
De como estamos ou quem está a nos olhar,
Sentimo-nos um pouco estranhos,
Mas esse é só o começo do que se pode esperar.
Até quando podemos esperar que a fraqueza nos impeça
De lutar por nossas assas tão perfeitas,
Que nos levem ao céu intenso, tão grandioso e denso,
Um belo fim de tarde do verão.
Quem precisa de sua ajuda, para usar as próprias mãos,
Para abrir o casulo da estação atrasada,
As minhas asas só podem ser negras e laranjadas,
Pois sei até onde posso chegar.
Ame sua vida, pelos mínimos detalhes,
É neles que aprendemos que tudo vale à pena,
E que por menores que sejam,
Você pode ser e ter tudo, assim como um sorriso na chuva.

By: AyKe.AeRa.

Fazendo Sem Saber

Feito em 22 de novembro de 2011...


Até que ponto nós podemos mentir fabricar,
Produtos com mão de obra barata,
Sem donos que reclamem suas posses?
Quem pode dizer fazer tudo e não saber,
De alguma parcela do que faz ou omite?
Se eu faço? Pois bem eu não sei.
O critério aqui é seu, e não meu que nada sei.
Posso tentar me encaixar em um molde,
Pré-fabricado pela miséria do mundo,
Mas não me condene por ser assim,
Quem sabe pelo que passei ou passo,
Mesmo sabendo que isso não é razão obvia,
Para se auto fabricar alguém tão difícil e complicado,
Alterado e burro de consciência.
Se eu posso você não sabe.
Questão de fé e de fazer sem saber.
Estou parecendo um palhaço?
Você tem medo de um palhaço?
Na noite me descabelo e grito,
Nas tardes só, eu peço perdão, como pude.
Quem faz nada sabe, é usado.
Quem usa nada sabe, é usado.
Usado. Palavra da tarde de frio e chuva.
Aceita mais uma xícara de chá gelado senhor DJ?
O barulho nada pode fazer em mim,
A bebida nada pode contra minha pessoa,
Sou louco, sou louco, sou louco.
Eu faço assim meio sem saber.
Já chorei por tão pouco. Sou louco, sou louco, sou louco.
Sou santo, eu danço, me descabelo, sou louco.
Arranhões, puxões, eu grito, a tarde é fria.
Ninguém pode compreender meu mundo.
Momento repreensivo de escuro. Quero solidão mistério.
Relapso mental, eu não sei quem eu sou,
Um breve silêncio vazio da noite,
Uma lágrima que corre por entre tanto segredo.
Quem sabe faça, ainda alguns breves textos,
Para alertar até onde posso chegar.
Quem diria que isso acabaria desse modo.
Você ainda espera me escolher?
Você ainda espera que eu grite pelos ventos?
Você ainda espera que eu me rasteje aos seus pés?
Você ainda espera alguma coisa?
A noite é da lua. A era é da poesia.
Ninguém sabe mais fazer. O que fazemos é tão incerto.
Na noite é que se encontramos.
Por que me diz algo assim? Um espere.
Sabe pra que eu nasci? Pra mostrar o quanto eu presto.
Pra mostrar o quanto eu ganho com essa porcaria,
Que é a vida que eu tenho e que é verdadeira a mim.
Quer saber pra que eu vim ao mundo?
Pra mostrar na sua cara que eu sou alguma coisa,
E nunca fui tudo aquilo que só existiu em seus sonhos.
Nada está perdido exceto seu futuro.
Eu sou alguém mesmo sem saberem.
Se me achar conhecido eu sou.
Se me achar importante eu sou.
Não preciso de um título que me intitule algo,
Pois são apenas nomes e não talentos.
Eu nasci para brilhar e nada pode me impedir.
Eu nasci para fazer e fabricar.
Eu nasci para mudar e vivenciar.
Quem faz de nada sabe. Eu faço sem saber.
Quem faz nada pode. Eu não faço e posso.
Sabe que eu existo? Sim, estou aqui.
Sabe o que eu faço? Pois bem, me procure!.

By: AyKe.AeRa.

Casamento Da Lua

Feito em 20 de novembro de 2011...


Os sons comoventes do vento nas árvores,
Um céu estrelado e uma certeza:
Haveria um casamento entre o tudo e o todo.
Era um início de uma minguante.
Era quem sabe o início de um futuro.
Ou de um passado, já parado,
Tão empurrado com a barriga todos os pesados dias.
A lua no céu já míngua. Desgraça prevista pela multidão.
Um raio que cruza o espaço e nos faz,
Alguém que nunca outro, porém igual.
Essa é a máquina de esquisitices do mau.
À noite, a lua e a esperança de não morrer amanhã.
Um porta retrato quebrado. Sem foto no espaço.
Adequação de memórias. Instabilidade de injúrias.
A destreza do fraco. O ímpeto de quem não aceita.
Mas um fim de novembro. Um fim de ano e momento.
Essa fase não é a mesma. Um manto e um boa sorte.
Não faça de sua vida um inferno. Não vá em direção à morte.
Você pode ter tudo que sempre quis,
Não faça os outros sofrerem por problemas que são seus.
O mundo já tem um problema. Não precisa dos seus.
Esse desabafo que me gela o coração.
Esse suicídio de tudo que nunca foi razão,
Para se deixar tudo para o nada e empurrar,
Hora de limpeza, na era do Aera.
À noite me chama. Levanto da cama.
Caso-me com a lua, essa bela valsa negra e triunfal.
De testemunha as estrelas Safira e Páscoa.
De testemunho os outros quatro sendo o um.
Um jovem empregado no mundo.
Um jovem honroso de talento a jato.
O mundo é certo. O mundo é exato.
O peso das correntes que levam ao fato,
De um suicídio social e sentimental,
Preciso ser alguém, a lua é minha arte.
Preciso ser alguém com alguma lição ou parte,
Pois querem repartir o mundo. Como homem sou doação.
Querem casar com a lua, com Cristo, com Belzebu sem razão.
Querem pagar os pecados, dos condenados,
Dos enclausurados, das fissuras de um inferno.
O calor da alcachofra, na dança dos loucos insanos.
Dos menores e desprezados, na luta contra os ciclanos,
Os ciclanos sem nome, sem codinome, sem endereço, sem memória,
Os computadores programados, para alcançar o mundo e história.
Bonito será bonito. Feio será feio. Fé será fé. Amor será dinheiro.
Esse negócio ainda lucra. Ou se abate por desprezo.
Com as juras já secretas, feitas pela fé,
Um diz sim é para todo o sempre, brilhante e prateada,
Rodeada por estrelas, de mensuras mil e encantadas,
O outro olha de baixo, como um espectador,
Dizendo-lhe ser honesto, com a vida e com a dor.
E se droga com o brilho, tão intenso e luminoso.
Suas mãos vão para o céu sem fim,
Ele luta para poder respirar, tudo foi cogitado,
Tudo foi visto pelos astros do céu,
Ele ali parado gritando, e ela ali no céu lhe olhando.
Ele desmaia. A noite é seu consorte.
Ele desmaia, a nevoa o encobre por sorte.
Ele descobriu mais um segredo. Tudo vale à pena.
Por mais que magoe as pessoas,
Sabe que seus mistérios serão sempre seus.
Por mais que desista dos sentimentos,
A razão será sua companheira.
A lua no céu sua esposa.
Mais um casamento da lua.
Lua, amiga lua, esse é nosso segredo. Belo descanso.

By: Ayke.Aera.

Inspirando Você

Feito em 20 de novembro de 2011...


Nós ainda somos tão jovens,
Vivemos tentando te inspirar.
Aqui quem fala é a voz do mundo,
Que tenta sempre te sufocar.
A desgraça da humanidade desgraça,
Quem ainda ousa blasfemar?
Rum, ruam, parapampam, Ruam.
Quando decidimos seguir uma vida,
Sem ninguém apenas a arte,
E as pessoas ficam indignadas,
Por você não ter um coração,
Ou por você não perder a razão,
É por que bem sabem no que foram educadas,
Ou no que tanto crêem na vácua solidão do mundo.
Quem perde a razão e a consciência,
Tentando te inspirar, rum, ruam, parapampá.
Para fazer da sua vida uma amargura,
Ou te trazer um pouco mais de cor.
Quem escreve no escuro e no deserto,
Sempre achando estar louco ou certo,
O importante aqui é você. Ruam, pápá.
Quem diria que não quer um nome,
Um louvor te inspirando.
Quem diria ser assim tão sem foco,
Um louvor te destronando.
Esse acento pode ser seu, inspirando, inspirando.
Esse acerto pode ser nosso, inspirando, inspirando.
Tantos nomes exilados, no caos do anônimo progresso.
Tantos belos testamentos, deixados nas mãos dos que podem tudo.
Dos que são, e podem ser. Dos que governam o mundo.
Por favor, pare com isso e me deixe ir!
Inspirando você, olhe lá fora, está vendo?  Vá viver!
Quando quebramos os cristais da esperança,
E vivemos sem ninguém no espaço,
Todos te sorriem e te abraçam,
Por você ser alguém tão importante,
Um tão louco e ser intrigante,
Que difere no olhar obtuso da vida,
Da diferente e bela vida que leva.
Quem ganha à razão e a consciência,
Tentando te inspirar,
Para fazer da sua vida um eterno segredo,
Ou te trazer um pouco mais de verdade.
Quem escreve no delírio e na sobriedade,
Sempre achando estar errado por piedade,
O importante aqui é você. Ruam, pápá.
Quem diria não querer ser nobre,
Um louvor te destronando.
Quem diria ser tão esnobe,
Um louvor te inspirando.
Esse momento pode ser seu, inspirando, inspirando.
Este recomeço pode ser nosso, inspirando, inspirando.
Tantos nomes em formação, no caos da imensidão,
Tantos sorrisos programados pelas mãos de tanto ferro.
Um paraíso de manicômio. O enfermo da cova de um cemitério.
Meu nome é Aera. Meu endereço é a terra.
Eu estou me inspirando. Esperando-te. Educando-me.
Meu nome não é mistério. Meu endereço é inferno.
Eu estou me inspirando. Esperando-te. Educando-me.
Meu nome é este e nunca outro. Sou um louco.
Eu estou me inspirando. Esperando-te. Educando-me.
Meu nome é Aera. A nova geração dos 21.
Eu estou lhe educando, lhe inspirando, lhe transformando.
Meu nome não é mistério. A esfinge do supremo clero.
Eu estou me programando, lhe escutando, lhe licitando.
Inspirando, inspirando, inspirando, inspirando, espere a hora.

By: AyKe.AeRa.

BlueBird

Feito em 17 de Novembro de 2011...
O jovem dopado da comoção,
Que vira e revira seus olhos,
Na espera da compaixão do céu.
Dau-Bo-Dau, Dau-Dau, Dau-Bo-Dau.
O jovem desespera à espera,
De suas asas e o o seu céu,
Um belo momento propício a vida.
Na-Ea-Jé, Na-Ea, Na-ea, Jé.
Pobre Canaã, pobre Canaã. Os olhos o matam.
Conheça a ti mesmo, jovem águia.
Com as agulhas e o poder de si nas mãos,
Com as torturas e alguém em busca de Mily.
Quero Mily, não me impeça, quero Mily.
Bum Bum Di Di Bum Bá,
Blue Bum Blue Bird Bum Rá.
Nessa busca incansável, onde anda o coração?
Nesse mundo inocente, onde Deus tem compaixão.
Não sabemos o que fazer,
Eles levam nossos sonhos embora,
Somos nós os nosso sonhos,
O mesmo sonho de Canaã,
Um sonho Krim-Nult. Krim-Nult, oh sim.
Não importa a ordem. Alguém precisa de ajuda?
Quando Raj diz, não desobedeça.
Quando Raj diz, não erga a cabeça,
Esse é o momento de Dau-Bo-Dau, Na-Ea-Jé.
Se Raj ordena não bata o pé.
Se encontrar com Fifi na noite,
E ela te destruir, o que fazer? Bum-Bum.
Mas e se te amarrem a força,
E te doparem de alegria! o que fazer? Canaã.
Alguém te olha nos olhos e sorri.
Alguém de pé e de preto te olha.
Não ria de minha cara. Isso tudo é meu agora!
Você sabe quem sou eu? Me deixe em paz.
Bum Bum Di Di Bum Bá,
Blue Bum Blue Bird Bum Rá.
Senhor Pyg não me cobre essa maldita perfeição!
Eu não posso mais tomar,
Quero a Mily, me deixe em paz,
Sou Canaã, sou Canaã, me dê Mily.
Senhor Pyg não me condene, eu não sou perfeito!
Eu não posso mais parar,
Quero a Mily, me deixe em paz,
Sou Canaã, sou Canaã, me dê Mily.
Nult-Krim, Blue-Bird, Bum Bum.
Dau-Bo-Dau, Dau Dau, Dau-Bo-Dau.
Quero minha liberdade novamente.
Dau-Bo-Dau, Dau-Dau, Dau-Bo-Dau.
Nasci estrela. Perdi o contato.
Bum Bum Di Di Bum Bá,
Blue Bum Blue Bird Bum Rá.
Vá embora com suas garras,
Não me alegro com seus jogos.
Evapore com suas garras,
Sou eterno em glória.
Sim, eu posso. Sim, eu faço.
Precisa de ajuda? Dau-Bo-Dau.
Hoje é dia de Na-Ea-Jé.
Nasce as assas, posso voar.
Enfim sem um casulo, um peso já morto.
Enfim sem um vazio, as doses pro torto.
Sim é agora. Sim eu posso voar.
Sim, quem sou eu? Isso já era,
É Dau-Bo-Dau, Dau Dau, Dau-Bo-Dau,
Blue Bum Blue Bird Bum Rá.

By: AyKe.AeRa.

Querendo Você

Feito em 15 de Novembro de 2011...
Tarde fria e vazia, eu te anseio.
Tarde de recordações, eu te quero.
Eles quiseram me dopar, mas eu insisto,
Essa é minha vida e eu te quero.
Você é minha testemunha! Eu não posso controlar.
Eu não quero. Diga um não!
Mas eu te quero. Então mãos pro chão!
Posso enlouquecer? Posso enlouquecer?
Me inspire. Eu posso ser. Eu quero ser.
Me inspire, me dope, me use. Nasci para isso.
Eu posso dizer que esse é o fim do jogo?
Eu posso fazer tudo valer à pena?
Eu posso jogar tudo para o alto?
Quem sabe quanto tempo vai durar?
Quem sabe sobre os meus sonhos eternos?
Nada poderá substituir aqueles dias.
Nada mudará aquele passado.
O tempo pode se fechar e chover.
Mas mesmo assim ainda quero você!
O rosto pode me avermelhar,
Mas mesmo assim não vou chorar!
Tarde amena, tão serena, eu te anseio.
Tarde de decepções, eu te quero.
Eles me doparam, mais eu não insisto,
Essa não é minha vida e eu te quero.
Você é um sonho tão azul! Eu não pude revelar!
Eu já nem sei o que eu quero. Digo adeus a tudo.
Mas eu te quero! O mundo é nosso mundo.
Eu estou louco! Eu estou louco!
Me dope. Eu sei que posso. Eu quero e posso.
Dope-me. Use-me. mate-me. Nasci para isso.
Eu posso prever que tudo foi perdido?
Eu não vago por nada que digo?
Eu sei que corro perigo,
De ficar por aqui, totalmente perdido.
Quem sabe sejam apenas sonhos eternos,
Perdidos no tempo do sem fim.
Mas se tem que ser assim, pobre de mim!
O tempo pode abrir e clarear.
Mas mesmo assim ainda quero você!
O rosto pode me envergonhar,
Sombria face, mas ainda te quero!
Tarde plena, me condena, eu te anseio.
Tarde deserta, eu te quero.
Eles me transportam, mas eu não posso,
Essa não é a minha dor,
Você é um sorriso, e eu te quero.
Sorria meu jovem, você não pode?
Pinte os seus cabelos, se olhe no espelho!
Eu sei que pode me aguentar.
Se ficar aqui por perto, eu não posso te ajudar!
Quem sabe sejam os meus sonhos,
Quem sabe apenas os remédios,
Mas se tem que ser, será.
O tempo pode acabar sem abraços.
Mas mesmo assim ainda lhe quero!
O rosto pode vencer os meus medos,
Arrependa-se, mas mesmo assim lhe quero!
Vazia montanha russa do coração,
Surpresa abstrata da emoção.
Que se comece a festa do cinza,
Mas mesmo assim querem você.
Ah! Vamos! O que lhe resta é padecer.
Você se droga? Eles lhe dopam?
Lute para aparecer!
Querem sim você! Querem sim você!

By: AyKe.AeRa.

Cansei....

Como sei que isso não resulta em nada de tão bom, resolvi parar de vez com essa barbaridade de escrever cronometrado. Hoje vou publicar tudo o que eu consegui escrever por esse dias ou meses. não digo que isso é um fim. Há tantos por ai que nem se notam. Pois bem, esse é um dos meus fins de ano. aqui ainda esse mês quem sabe escreva alguma coisa ainda que realmente preste. Estou buscando novamente aquele escrever com a alma e não como um robô. Sinceramente quero ser franco: eu cansei. Quando nós fazemos algo é para sermos lembrados por alguma coisa. Por pior que essa coisa seja. Esse fim de ano não foi um qualquer fim de ano. Realizei muitas coisas esse ano. Estou tentando manter um progresso ainda dela. Enquanto não juntar os meus pés em uma cova, eu ainda não morri, e posso fazer tudo. Quero me resgatar nesse verão. Quero voltar e tentar me achar naquela esquina que eu parei. Não digo que parei literalmente. Mas quando se termina um vínculo de 18 anos com uma pessoa, que ouviu suas primeiras palavras, que lhe cuidou na sua doença, que lhe parabenizava pelas suas primeiras palavras, por saber escrever aquele nome que ela mesma lhe deu. Isso é forte. Aqui nesse lugar eu disse que era minha casa. Posso ser um qualquer perdido em um universo. Mas nesse universo ainda há tantas estrelas perdidas, gritando para serem vistas. Quem sabe faça muito drama para alguns. Outros diriam: Como você é forte!. Minha dor hoje me mostrou de alguma forma que eu não sou imortal. Que tenho prazo de validade. E que não importa o que eu faça, eu devo fazer. Hoje chorei no chão. Sim, eu fiz isso. Não eram essas frustrações. Resolvi chorar. Não aguentei a minha dor. Mas às vezes o fardo pesa. Mas não adiantava eu ficar ali no chão pensando que tudo iria melhorar, pois eu sabia que isso era uma mentira. Não tenho perspectivas do que fazer se o mundo acabar. Vou morrer igual, preciso de remédios para viver. Você pode achar ser fácil sair por aí sem preocupações que realmente envolvam sua vida. Mas sabe cansei de tudo isso. Vou terminar com essas minhas fases transitórias. Vou voltar a escrever com meu coração. Posso sim ser honesto, mas tenho meus por quês de achar que tudo terá fim. Apenas queria ser alguém lembrado por alguma coisa que não fosse um cabelo colorido. Alguns textos sem nexos, ou algumas casas até mais ou menos. Hoje explodi. Eu sei que vou me arrepender de cada palavra escrita aqui. Mas não tenho mais perspectiva alguma. O que tiver que ser será. Não tenha dó de ninguém. Quem sabe o que essa pessoa já fez para fazer a própria fama pelas suas costas? Cansei de hipocrisia....COM VOCÊS OS MEUS RESTOS MORTAIS.....SEM UM FINAL.

25.11.11

Reconhecendo Você


Reconhece essa face que te vê e descansa?
Reconhece aquela criança ainda loira?
Reconhece essa face que te vê e descansa?
Reconhece aquela criança ainda loira?
Esse medo que te consome e essa luz do arriscado,
Essa vida tão vazia, tão pudica um esmolado.
Esse alguém não me emociona,
Esse alguém de um passado.
Reconhece o que você vê hoje?
Reconhece no que virei, está tudo acabado.
Alguém pode me dizer uma palavra verdadeira,
Alguém pode decifrar tudo que não deixo de pensar?
Alguém sabe as opiniões corretas dos fatos?
Alguém pode me deixar em paz para gritar?
Eu quero que reconheça você.
Eu quero que me reconheça.
Eu quero que seja assim tão fácil,
E que ninguém precise perder a cabeça.
Esse alguém vive na voz do povo.
Eu sei que você não dorme.
Eu sei que você tem medo.
Senhor Jesus que te console.
Reconhece essa face que te vê nessa balança?
Reconhece aquela loira e densa criança?
Reconhece essa face que te vê nessa balança?
Reconhece aquela loira e trágica criança?
Esse medo te consome e essa luz, ela não some,
Essa vida tão regrada, tão pudica e selada.
Esse alguém que te consola,
Esse alguém que te devora.
Reconhece o que você não vê mais hoje?
Reconhece o que eu sou, eterno futuro acabado.
Alguém pode me dizer o que eu fiz de errado?
Alguém pode decifrar o que eu ponho, na sua cara?
Alguém sabe tudo sobre tudo?
Alguém pode me deixar morrer em paz?
Eu quero que me reconheça.
Eu quero que reconheça você.
Eu quero ser aquele alguém diferente,
E que ninguém mais seja tão crente.
Esse alguém ainda sou eu.
Eu sei que você acorda assustado.
Eu sei que você não dorme.
Senhor Jesus que te console.
Reconhece essa face que te vê e menospreza?
Reconhece aquela pessoa já tão anormal?
Reconhece essa face que te vê tão para baixo?
Reconhece aquela pessoa já tão sem graça na dança?
Esse desejo te consome e você não some,
Essa vida de inveja, tão pura e boa seja.
Na sua frente e em seu olhar.
Na sua frente tão diferente e você não reconhece.
Você não desce, ou obedece,
Por que sabe o que é melhor para você.
Eu agora vejo a tão famosa luz,
A tão pesada cruz,
Essa divina menção dos céus.
Eu sei que você tem medo.
E acorda assustado no meio da madrugada,
Com a sombra nos seus pés.
Reconhece essa face que te vê e descansa?
Reconhece aquele brilho do olhar?
Reconhece essa face que te vê nessa balança?
Reconhece aquela trágica e loira criança?
Essa fácil compreensão do veneno,
Que te faz crescer e morrer. Reconheça a vida. Vá viver.

Feito em 05 de novembro de 2011.
By: AyKe.AeRa.

24.11.11

Em Chamas De Velas

Feito em 02 De Novembro de 2011...
Num útero o fruto bendito,
Da lama, da chama, que clama,
Que faz, que se desenvolve e não padece,
Dos frutos, da calma, do povo, és rei.
A palha, o cabo, o chifre, o passo.
Na dança que se acasala, que embalo, é sexo.
Placenta da mãe, que se alimenta e desinventa.
Não usa jeans, não usa roupa,
Sem espécie é capaz de sangrar.
Um nascimento de uma geração,
Com mil anos nas costas para carregar.
Forte, espelho, mundo, és rei.
Bravo, cavalheiro, mundano, quisera ser.
Vá com a sorte, tu nasces, tu podes, és tu.
Ele é o unicórnio, o corno dos córneos,
Ele é o unicórnio, o coro se forma,
A paz te devora, sua alma chora.
Ele é o unicórnio, o corno dos córneos,
Ele é o unicórnio, pequeno e tão doce.
É ele, é ele, vamos orar por amanhã.
É ele, somos nós, abra a porta da noite é o clã.
Salve ele, salve o povo, a guerra da fiel miséria.
Sobe e desce, abra as patas,
Ele nasce, ele é unicórnio.
Unicórnio, o corno dos córneos,
O uno, o corno, o córneo.
Posso ser, eu posso ver, sua fé lhe salva,
Posso ser, eu posso ver, sua alma mata.
Por que você é nosso. Por que você é unicórnio.
A massa, que passa, que reza, e eu choro.
Eu posso ser seu no escuro,
Eu quero ser seu no luar,
Eu posso nascer em cima do murro,
Que cai e desaba, o mundo vai acabar,
A pena é que caio, que saio,
Que desço de tudo sem reclamar.
Eu posso ser meu e teu, o universo. Vamos conversar?
Unicórnio que nasce, e cresce na tradição,
Que arma seu povo, e mascara o canhão,
Que desce na batalha e nos diz ser,
O caminho, a verdade e a vida,
Sim, isso também pode ser.
Quem apoia diga Woah,
Quem apoia diga Woah.
Ele é o unicórnio, o corno dos córneos,
Ele dança, ele é corno,
Ele dança, ele é córneo,
Ele é uni, de Uno e verso,
Do começo da luz, do começo do coro,
Do choro, da bela, da manhã de primavera.
Ele é o unicórnio, o corno dos córneos,
O bravo, o alado, o azul de um céu.
Ele é o sapato, é a noiva, o inferno é o véu,
Das senhoras do corno, dos senhores o córneo.
Divide opiniões? Não me pare, eu sei que choro.
Me faça, ele nasce, ele cresce, és rei.
Me fala, ele encanta, ele grita, é criança córnea.
Eu o olho no começo, isso é azul real,
Do começo da velha história,
Das lembranças de um mau.
Unicórnio, dos cornos sem córneos.
A fé que alimenta os sedentos.
Snapy-Snapy-Snapy mamada.
Fight-Fire orgulho de engordar?
Quem diz se ele nasce é a mãe,
A lua que espera o sol à engravidar.

By: AyKe.AeRa.

23.11.11

Vivendo Com Você


Eco, eco, eco, vazio profundo.
Eco, eco, eco, tudo tão escuro.
Eco, eco, eco, solidão do carma do vampiro,
Escuridão da praga do deserto, vil Nilo.
Rara, amém de Deus, da terra inteira, raraaaaaa.
As vodcas do limbo que me prendem no caos,
E vivo na espera de mais do sempre mau,
No que posso acreditar, escuro da minha glória,
No que posso acreditar, se não caio eu sou escola,
Pobre de coitado de pena sem fé.
Um pé de carvalho curvado,
Um pé de carvalho sem pé.
Muitos não vivem por temerem o escuro,
Outros não dançam na luz do luar,
Alguns impedidos de viver a vida,
Estragam as dos outros sem nunca pensar,
Saia da frente, eu posso ser o próximo,
A ir mais longe do que se possa imaginar.
Eu posso ser ruim e comer todo o mau,
Engolir as palavras e tantos olhares,
O estranho nunca fui eu. Estranha é sua ilusão.
Eu danço e não danço só.
Essa dança da vida que me sufoca e me enche de nó.
Eu vivo e não vivo só.
Sou um dentre os tantos que vivem por ser alguém melhor.
Eu danço na noite de tempestade,
Ou nos dias da saudade,
Do começo de um verão.
Eu danço a meia noite com as estrelas,
Sentado escrevendo poemas,
Ou tomando um bom café para acordar,
Para cantar, para ir, para rir, para ser e controlar,
Controlado é meu remédio de mariposas,
E controlada é a noite do claro e escuro do terror.
Essa noite é o fim, da alegria, do tédio e dor,
É a festa da partida de um cometa do amor,
Um vento de paz do começo redenção,
Da prática dos ensinamentos, do fim da religião.
Desaba o laboratório humano do viver,
Eu enfim posso enxergar, você enfim pode me ver.
Eu posso ser alguém que ainda come todo o mau,
Engolindo as palavras de um alguém sem fé,
No que faz ou acredita. Pobre coitado. Um amém, já é.
Eu faço e não faço só.
Esse fazer tão fanático que me sufoca.
Eu faço e não faço só.
Um olhar biônico e uma face robótica.
Eu vivo no escuro
Eu destruo as fronteiras,
Sou louco e eterno, perco as estribeiras.
Eu caço serpentes capazes de matar,
Eu colho as sementes da paz de Alá,
Eu sou o pecado enjaulado querendo acordar,
Querendo dançar, querendo cantar, querendo pular, querendo fazer,
De começar a por em pratica aquilo que crê,
Que vê que sabe. Que vê e não viu.
No escuro, eu sei que vivo.
Esse é o começo eu não me desligo.
Tantos outros que morreram solitários,
Na solidão de suas artes, eternos na glória,
Eu sei que posso, por isso faço,
Eu sei que vivo, você que chora.
Amém a vida, amém a Cristo.
Amém a tantos, que clama o grito.
Vivendo com você, nessa escuridão tão vazia,
Você pode me rejeitar pela glória, eu posso fazer a sua alegria.

Feito em 03 de Novembro de 2011.
By: AyKe.AeRa.