31.10.12

Happy Halloween!

Guns And Roses

Feito em 31 de Outubro de 2012...

Pisamos sobre rosas e armas,
Pegamos nas armas e nas rosas.
Falamos que amamos, mas mostramos as garras,
E ofendemos com as palavras mais poderosas.
O ódio e a arma apontada para a minha cabeça,
O ódio e a rosa, pedindo para que eu esqueça.
Se eu amo o seu horror eu lhe amo por completo,
Mesmo sem saber eu faço e desfaço no secreto,
Sem tocar em nenhuma das balas da minha arma,
Apenas nas rosas, pois isso é o correto.
A minha raiva é maior do que o universo,
Quando tento rimar ou fazer um bom verso,
Tentando se enquadrar dentro de algum dos meus dilemas,
Sem se expor para evitar muitos problemas,
Não quero mais nada apenas uma arma e minha cabeça.
Pois essa é minha solução,
Matar aquele velho, para que eu esqueça,
As rosas plantadas, as rosas.
O ódio e a arma apontada para a minha cabeça,
O ódio e a rosa, pedindo para que eu esqueça.
Quer saber mais sobre minha repugnância?
Eu sempre me achei o melhor e com mais ganância!
Eu sempre fiz e ainda faço no escuro,
O jogo das armas e a magia dos burros,
Quer achar as minhas anotações?
Quer ler todos os meus segredos?
Quer ser mais um repugnante,
Que vive apenas de um desejo?
Não tenho rancor, eu quero ser uma estrela.
Não tenho pudor, eu quero ser um girassol.
Não me faço entendido, eu quero ser indefinido,
Crescente, poderoso e bem sucedido,
Pois sou a arma do jogo de roleta russa,
Onde é tudo 8 ou 80, pois a vida nunca será justa.
Esse é o meu jogo. Guns and Roses.
Esse é o meu jogo. Guns and Roses.
Tenho aversão ao que eu vivo,
Tenho aversão ao que eu faço,
É sobre rosas com espinhos,
Que eu massacro e despedaço,
Eu sou um monstro enjaulado,
Em mundo que nunca existiu.
A palavra que me guia é a antipatia,
E a vontade que eu sempre tenho de estragar o seu dia,
Com a minha presença desaforada,
Que mostra na sua cara que você nunca será nada.
Despreze todo esse texto, ou todas as palavras,
Beba mais uma dose e se deixe levar pelos fracassos,
Um dia lhe encontro no inferno depois da vida,
Entoando juras de amor por tudo o que eu faço.
Eu sou o aborrecimento,
Aquele vazio do pensamento,
O desamor que vira inimizade,
Eu sou o vento que chega para destruir mais uma cidade.
O ódio e a arma apontada para a minha cabeça,
O ódio e a rosa, pedindo para que eu esqueça.

By: Vinicius Osterer.


27.10.12

Os Lábios Vermelhos

Feito em 27 de Outubro de 2012...
Sim, eu posso dizer que a dama amava batom vermelho.
Penetrava por entre olhos que nunca foram seus.
Ousava acreditar que nada poderia derrubá-la,
Nem mesmo os olhos daquele que queria ser seu.
Vestida com a cor escarlate de seus lábios,
Adentrava por entre as luzes que mostravam seu valor,
O valor bruto de mais uma compra,
Um produto que nunca ousou dizer o seu preço.
Valia alguma coisa. Mas, para as pessoas certas.
O sangue fervia e do alto do mundo se podia avistar,
A descoberta que o universo é grandioso.
Dando os primeiros paços em direção do seu futuro,
Os belos lábios vermelhos mantedores de um sorriso,
Falantes e emoldurados, um pedaço do paraíso.
A cada passo que se aproxima de sua ultima dança ela se mantém firme,
Mantém-se maior e mais sublime,
E não pisa mais sobre o chão. Flutua sobre nuvens,
E ganha a dança desejada com o homem que nunca foi seu.
O homem que a fez se perder nos olhos errados.
O homem de preto e de cabelos acastanhados.
Depois da bebida o mundo foi perdido.
Todo o seu senso de humor foi regredido,
Á depressão da alma por trás daqueles lábios vermelhos.
Os seus belos cabelos escuros repousavam no ombro,
No pedaço esquerdo daquela cor vermelha que cegava.
No lado oculto dos olhos que chorava e regava,
A felicidade do assassino infeliz que ouvia os seus desabafos.
Ela com doçura apenas despede-se e vai ao toalete.
Ele com desejo apenas a olha e a segue.
E num piscar de olhos ele avista a sua presa.
E num piscar de olhos a presa vira fera.
E nesse mesmo piscar de olhos a noite fica mais escura,
Na selva impiedosa da rotina humana que é reclusa,
Mais uma das tantas vítimas do assassino sanguinário do toalete.
Na mesma peça sanitária onde repousa os seus belos lábios vermelhos,
Repousa o seu corpo já sem vida e vermelho.
Trajando a roupa da morte os olhos que nunca foram,
Se vão para o lugar onde nunca ousaram.
Se antes sua roupa era vermelha escarlate, hoje é vermelha sangue,
No simples movimento de quando sua pele com uma faca se tocaram.
No gabinete, no toucador, na noite, no batom vermelho.
A dama ainda podia se olhar no espelho.
Sim, eu posso dizer que a dama amava batom vermelho.
E penetrou em olhos que nunca foram seus.
Na noite escura alguém repousa entre o mar dos mortos.

By: Vinicius Osterer.


16.10.12

Sonhar Com A Resposta

Nada mais é como antes. Nem mesmo as minhas vontades.
E com o vento lá de fora que entra agora pela janela,
Eu me lembro do meu sonho de infância,
Mas um sonho, um sonho de quando a gente dorme.
Eu havia sonhado com esse mesmo vento,
Mas eu não me reconhecia por que eu era diferente,
E eu tinha uma casa de vidro no meio de uma floresta,
Eu tinha um carro muito bonito.
Não sei por que eu fugi. Simplesmente acordei com medo.
Eu sentia uma sensação estranha, isso ainda no meu sonho.
Lembro-me que acordei chamando a minha mãe.
Será que tudo que vivemos sempre foi predestinado?
Eu ainda tenho medo de mim mesmo. Das minhas vontades.
Eu idealizo ser uma pessoa, mas acho que não quero ser essa pessoa.
Não cabe no meu dicionário um vocabulário tão pobre de palavras.
Será que cobram as nossas decisões aos 21 anos?
É maluquice, mas eu sempre fui o garoto mais perverso.
O garoto que minha vocação religiosa tentou esconder de mim mesmo.
Está aí, hoje eu não estou mentindo.
Eu acho que gosto sim de fazer as pessoas sofrerem.
Agora entendo a batalha que travei dentro de mim.
E posso compreender que o meu destino é livre de escolha.
E quando se menos espera, devolvem para você o revólver.
A arma de batom que faz você trair a Cristo.
Do nada o melhor é emitir algum ofício,
Por que o edital sempre dizia que a vaga era sua.
Você diz isso agora enquanto sua vida é perfeita.
Enquanto não lhe tiraram nada apenas um nome.
Se conhecesse uma perda ou uma doença que te consome.
Nunca desejei o mal para ninguém. Por que ninguém merece.
O mal é obtido por atitudes sujas, por vontades sujas,
Por um tom de cabelo escuro ou uma loucura obscena.
Será que cobram as nossas decisões com 21 anos?
Espero o tempo me responder.
Quem sonha que acontece ninguém pode deter,
Apenas aquele cara divino que manda nas nossas vidas.
Eu lutei para ser alguém melhor.
A sociedade não nos dá chance alguma.
Espero sonhar com uma resposta hoje,
Para quem sabe um texto no amanhã.

By: Vinicius André Osterer
 


13.10.12

Frase I

 Se Eu Tiver Fé Nos Meus Principios Eu Terei Todo O Poder Do Universo Manifestado Dentro De Mim...

Brinquedo Torto

BY: Pitty;

Pacto


Sabe, eu acho que as pessoas nunca sabem quando elas vão morrer,
Ou quando a hora delas esta chegando.
Mas garanto que elas podem sentir isso.
Podem sentir que tudo começa a fazer sentido,
Você começa a notar o despercebido,
Começa a perder o medo da morte.
Você não quer mais que o tempo volte,
E não quer mais nada apenas sentir aquele momento,
Que enche os olhos de lágrimas e deixa tudo tão lento.
 E você julga os seus próprios atos,
Por que enxerga você mesmo com outros olhos,
E aquilo tudo parece tão pequeno e ridículo,
Aquele problema que sempre foi sem solução e grande.
E você começa a ver os lados das coisas.
Começa a se despedir por que você sente,
Que o seu momento está ali beirando os meses,
E mesmo você não desejando, você sabe que fez o certo,
Que se manteve de pé e correto,
Por que mais um dos ciclos estava se fechando.
Hoje eu não teria nenhum arrependimento,
Mesmo jogando às vezes areia no vento,
Ou culpando o mundo por me fazer ser estranho.
Mas acho que me arrependo sim de muita coisa,
Não apenas pensada, ou feita e falada,
Arrependo-me de tentar superar o insuperável,
De omitir o sentimento lamentável,
De oprimir os meus receios e minha força de superação,
Por que não fiz o correto tentando ser outro,
Ou tentando mudar constantemente os meus atos,
Eu juro que eu sempre fui fraco,
Mesmo quando sorria e me mostrava tão confiante.
Eu não ligo mais se me dói ou se não me dói o intestino.
Eu não ligo mais se eu fui ou não fui um bom menino.
Eu não ligo se eu chorei, se eu perdi, se eu não aceitei.
Eu não ligo se fui feliz, se eu pude e fiz ou se apenas tentei.
E acho que hoje estou fechando um ciclo que eu comecei.
Restabelecendo a minha ligação transcendental que eu exterminei.
E se algum dia falar de mim não se esqueça de dizer do meu trauma,
Da minha depressão bipolar onde eu me enfiei.
Ao menos fui verdadeiro em todos os meus momentos,
Mesmo quando mentia para sair de casa pra beber.
Sabe, você julgou a pessoa errada.
Julgou justamente aquela que queria ser julgada.
E sabe, essa pessoa ainda faz história mesmo depois de morta,
Por que seguiu na linha, sem aquela palavra torta,
A palavra: “pacto”.
Entenda como quiser. Não posso mais ser vendido.

By: Vinicius André Osterer.