11.2.14

Massa Escura

Quero me embriagar de pensamentos anormais,
Quero possuir grandezas e bons sinais,
Quero transgredir o que limita o universo,
Sou impróprio para horários, minha vida é um grande verso,
Eu sou a imensidão, cruzei lugares, sou perverso,
Estou abarrotado de medo, no medo eu me imerso,
Por que posso fazer com que você dance,
Mas quero te fazer abrir os olhos e me olhar,
Estou colocando a minha moeda em um novo lance,
Por que desaprendi como é que se faz algo vingar.
Notícias, ideias, alguém critica o que eu faço,
Mas o que pode ser isso que me embala no espaço?
Se na noite é escuro, na noite me escondo e me deparo,
Com massa negra, sim, com massa negra meu caro.
E pode haver um lugar para mim entre as estrelas?
 O que é isso que brota de mim, são centelhas?
Daqui eu te percebo oh grandeza de massa escura,
Com essa sensação vazia que passa por mim até a lua.
Pendurado em uma janela eu vi um cavalo,
Na imaginação eu o olhei, mas eu sou um bandido,
Pois não cumpri tudo aquilo que prometi, hoje nem mais falo,
Enfim meus olhos demonstram meu coração mais comovido.
Hoje sou um ponto brilhante e sem direção,
Navego nesta sopa de letras sem nenhuma informação,
E minha mente tem um palpite, virei da arma a munição,
Tenho medo do que faço, só vejo morte e destruição.
Se eu ligo os pontos me sinto alguém politizado,
Enfim acreditei no mundo mais popularizado,
O meu ponto brilhante está imerso neste escuro sem fim,
Neste princípio de um começo entre mim e mais mim,
Se mim não fosse eu no português da gramática,
E se minha alma não vibrasse por ser um pouco pragmática,
Meu coração sempre pulsando por viver tanto na prática,
Da arte da encenação da comédia mais que dramática.
O que posso esperar quando o sol romper esta barreira?
Este texto é uma merda, assim como a minha carreira.
Estou perplexo com a sucessão destes fatos,
Vazias almas ocupando buracos nos vácuos.
Presto atenção no escuro, a Noite senhora,
Imensa como a quantidade de luz negra do céu que jorra,
Iluminando a minha vida com estrelas sem fins,
Sem fins, sem princípios e entremeios,
Sem afrontas, sem injustiça ou receios,
Mas minha mente luta, como luta a minha mente,
Nasci para ser alguém, mas não nasci para ser gente.
Sorrisos amarelos, cabelos tingidos, coração abominável,
Não se remedia quando é tarde, não serei um miserável,
Não sou a melhor companhia, nem quero ser agradável,
Estou dentro de um mundo bloqueado e impermeável.
Sou diferente, mas eu não chego a ser um caso raro,
Mas lá em cima é onde posso chegar, aonde chegarei e não paro.
Se na noite é escuro, na noite me escondo e me deparo,
Com massa negra e escura, com massa negra e escura meu caro.

By: AleXander. PiLLs.
Feito em 31 de Janeiro de 2014.

8.2.14

Rasgos

O que enfim me aconteceu?
As pessoas ao meu redor viram fantasmas e cobras,
Estou sendo forçado a criar grandes obras,
Não sou um ser humano de aceitar as sobras,
Vivo no inconstante, ariscando algumas manobras.
Mas enfim o que me aconteceu?
Não acho nada comum rasgar o próprio peito ciente,
Que falta apenas mais um pouco para me tornar demente.
O que então aconteceu?
Liguei no meu programa favorito e me fartei,
O que mais pode acontecer agora neste momento?
Eu até acho que alguém disse: “eu voltei”,
Mas não fui informado de tal pronunciamento!
Coloquei um pouco de água oxigenada nos cabelos,
Sim! Você é todas essas imagens dos espelhos,
E chega de opiniões e nem peça por conselhos,
Chega de ilusões fantasiosas com híbridos e coelhos!
Enfim o que me aconteceu?
Acordei atrasado para o encontro com algo inicial,
Então me diga: “Ele voltou para o lado do bem ou do mau?”.
“Veremos um grande espetáculo, um show excepcional?”
“Um talento extraordinário para pouco conhecimento, ual!”
Cumpra os modos, os gestos e dê sequência ao ritual,
Com os anos aprendi a focar no aprofundamento,
Enfim cresci, tenho talento e fixação pelo informal,
Um belo final para seu aguardado momento.
Então me diga o que lhe aconteceu?
“Sim! Presenciei esse sim com uma incrível vontade,
Dessas que não se encontram por aí em esquinas,
Cansei de ser pouco, cansei da anormalidade,
Cansei de vagar batendo minha cabeça em quinas”.
Se azul é de menino e rosa é de menina,
Estou dando a minha arte uma expressão mais que divina!
Rasguei por dentro tudo aquilo que havia escrito,
Apaguei da memória tudo aquilo já dito,
Abri os meus olhos, revi e dei um grito,
Insônia na noite é realidade e não um mito.
O mito é mitológico, nostálgico e formal,
Cansei das pessoas, cansei do normal,
Estou acima das coisas que me iludem e me prendem,
Beirando o gosto azedo das coisas que mais ofendem.
E o que acontecerá amanhã?
Amanhã matarei o novato do espelho com um golpe,
Devo creditar o meu nome antes que alguém volte,
“Posso carimbar sua vida e o seu passaporte?”
“Sim você pode, faça o que tiver que fazer e boa sorte!”
Cansei de respirar ar, eu prefiro muito mais a morte...
Rasguei aquele momento branco, com cor e ofensas,
Destruí minha cabeça, acabei com minhas crenças,
Hoje é o dia. Hoje é meu dia. Vá respirar e apareça!
Não preciso me mostrar. Vamos mente, cresça!
Hoje farei tudo que me vier na cabeça.

By: AleXander. PiLLs.
Feito em 08 de Fevereiro de 2014.

3.2.14

Por Mais Um Segundo

Tenso e relaxado. Tenso e relaxado. Tenso e relaxado.
O que pode me acontecer se sou um ser desalmado?
Tenso e relaxado. Tenso e relaxado. Tenso e relaxado.
Não aguento mais viver e nem escolher seguir um lado.
Muitos por aí vivem com inquietude de alma e coração,
Mas morro todo dia, em busca de total libertação,
E honro com respeito a minha própria salvação,
Abaixo a cabeça resignando-me, aceitando a ressurreição.
Estou tenso e relaxado, no limite do meu limite,
Estou tenso e relaxado, beirando o caos do apocalipse,
Estou tenso e relaxado, não estou procurando um palpite,
Estou tenso e relaxado, esperando o dia do ecplise.
Não consigo acessar minha informação,
Não consigo resignar os desejos internos,
E posso atuar e lidar com uma opinião,
E conduzir minha vida por verdadeiros infernos,
Onde todo o tempo e minuto se tornam eternos, oh sim!
Todo dia a minha vida se torna absoluta,
Não adianta fingir e omitir que não se luta,
Essa vida é relaxante, é tensa e tem extremos,
De bipolar a ser normal, nenhum de nós mais saberemos,
Aos poucos perdemos fagulhas e vamos morrendo,
Cabelo muda, gosto acaba e a barba continua crescendo,
E torno a gritar por não aguentar em certo momento,
Torno a fazer o tempo parar e se desculpar pelo momento,
Torno a me queixar e deixar escapar o momento,
O presente, o futuro, oh meu Deus, o momento.
Não se pode apenas respirar e virar uma máquina de ar,
Deve-se ser uma máquina a vapor que não para de trabalhar,
Essa é a vida, a minha vida, esse momento,
Eu faço e desfaço, eu cresço e apareço, me poupo tempo,
Por que a vida é absolutamente complexa?
Não se explica e nem se pergunta o do por quê,
Não se sabe e nem se faz mais não sei o que,
Por que não grito? Por que não faço e parto daqui?
O que me prende? O que solto? O que me faz querer rugir?
Estou perplexo com o destino das coisas e sensações,
Estou pregado em uma cruz entre vários pecadores,
E não estou mais sobre domínio das minhas próprias emoções,
Não peço clemência, peço respeito aos senhores,
Fiz um relato absurdo e desumano da minha vida,
Quem é que não sente ou pressentiu essa saída?
Doses de desejo da morte que arregalam meus olhos,
Travas de portas abertas, nem sei se possuíam ferrolhos,
E não adianta resistir e tentar impulsar para o contrário,
A vida é absorvida por tantas medicações e pelo horário,
E essa culpa? O desejo de ter ficado quieto em meu canto,
Encarar a depressão de perto, no fundo do abismo, ser um santo!
Posso desejar que minha vida acabe? Então que acabe tudo!
Posso desejar ser cego, ser surdo, ser mudo?
Posso querer a morte por mais um segundo?
Por um momento senti que não acabaria de escrever estas palavras.

By: AleXander. PiLLs.
Feito em 31 de Janeiro de 2014.