20.3.14

Sonho Nefasto

Não quero pouco e nem muito, quero apenas o que tenho,
Não quero ser louco, não quero ser normal, por isso é que me empenho,
Não existe maior razão do que fazer valer no que se gosta,
Tentar mudar e evoluir um mundo que é uma grande bosta,
E que se faça a luz? Sim, com muito trabalho,
Não posso mais controlar e nem regrar o meu horário.
Posso dizer que o tempo é severo e que ele sempre muda,
E que no mais tardar amanhã eu sentirei uma dor aguda,
E meu céu estremecerá em uma constelação,
No dia da minha glória, imenso na luz e na escuridão.
Apenas quero uma vitória e não aquilo que vem com a morte.
Apenas quero depender de mim e parar de contar com a sorte.
Eu luto contra mim mesmo tentando descobrir exatidão no que faço,
Eu me igualei a uma vontade pura e não busco pelo fracasso.
Sim, essa verdade é pura. Sim, eu busco por uma verdade,
E não me resta mais nada, apenas mais tempo gasto.
Todos os dias da minha vida vivendo uma anormalidade,
Criando um mundo de estrelas azuis e sonhos vastos.
Eu ando na noite e deixo os meus paços!
Os sonhos da minha vida são loucos e nefastos!
Grande bosta você poder tudo aquilo que eu também posso,
Grande bosta você gostar daquilo tudo que eu gosto.
Grande bosta. É nisso que nós vivemos,
É por bosta que matamos, é por bosta que crescemos.
E se a vida é uma bosta, grande bosta e adoremos!
Eu posso mudar alguma coisa ainda não prevista,
Posso esquecer, calar minha boca, tampar minha vista,
Posso aparecer e desaparecer ou ser uma capa de revista,
Posso prever um futuro, analisar um passado e ser um analista.
No limite da minha criatividade eu não consigo mais parar,
E nesse exato momento eu amo a vida e amo criar,
E posso pular e posso fazer alguma coisa nova surgir,
Um princípio ainda incerto, alguma coisa irá sair,
De dentro de mim, de dentro do universo,
De dentro de um texto, baseado em um verso.
E meu tempo é assim, não tem lacuna, não tem espaço,
Se puder multiplicar, assim te peço, assim eu faço,
E não paro esperando para ver o que acontece,
Se dinheiro me bastasse, mas a criação me abastece,
E precisava explodir alguma coisa que é minha e interna,
E fazer isso soar como uma grande confusão e baderna,
Grande bosta é nisso que nós vivemos,
É por bosta que matamos, é por bosta que crescemos.
E se a vida é uma bosta, grande bosta e adoremos!
Neste sonho nefasto, minha vida é sem tempo,
Então eu me basto, crio um novo momento,
E se é chegada a hora, então não faço mais nenhum rabisco,
Prefiro criar um final a um começo ou algum indício.
Sim. Este sonho nefasto é o meu futuro e minha vida.
Sim. Vivo este sonho nefasto sem possuir uma saída.
Sim. A vida realmente é uma grande bosta.
Eu explodi, então ouvi um: “oh minha nossa!”.

By: AleXander. PiLLs.
Feito em 20 de março de 2014.

16.3.14

O Caracol

Recordação me vem de um tempo sem sentido e anterior,
Um passado remoto de valia nenhuma, império da dor,
Então eu penso e como eu penso, e vai embora até o sol,
Levarei comigo minha casa, um híbrido humano e caracol,
O tempo acabou revelando o que tanto esperava,
Minha vida sempre foi metade daquilo que imaginava,
E agora o que eu faço? Para onde devo seguir?
Posso acreditar nesta mentira que me faz ruir?
Um pedaço da minha história gravada com várias cores,
Uma vida instantânea cheia de mudanças de humores,
Não posso ser um híbrido para toda a eternidade,
Acredito em mim e nesta arte de liberdade,
Eu posso vencer e vou superar esta fase,
Preciso de uma luz, estive perto daquele quase,
E quase não lutei, e quase me deixei levar pelo pior,
Quase desisti e me iludi pensando pelo lado melhor.
E sou quase humano, quase normal, quase um alguém,
Sou quase importante e reluto quando faço o bem.
Sou um híbrido humano e caracol que olha estrelas,
Sou nítido na estação e olho elas, que estrelas!
Megalomaníaco, psicopatia social. Minha arte!
Caracol que leva sua casa para toda parte!
Além do que você espera: é isso que eu faço!
Minha recompensa vem cada dia de pedaço em pedaço.
Com os olhos admirados sobre meu mar de tempestade,
Um projeto meio louco e carregado de maldade,
Não que eu seja superior, mas prefiro correr riscos,
Do que passar despercebido por não ter os mesmos vícios,
Hospícios! Hospícios! Todos nós temos vários inícios!
Hospícios! Hospícios! Todas as partes são os Vinicius!
E toda parte é diferente, toda parte é toda parte,
É de Vênus, é de Júpiter, é da Terra e faz parte,
É de Marte, é a morte, é de Marte e faz parte,
É aparte, é Marte, é morte, é Terra e tem parte.
Pousa em mim uma borboleta, pousa em mim o sol,
Sou meio humano, sou um híbrido, um lindo e belo caracol.
E se priorizo algumas coisas, não priorizo outras faces,
Me leve, me compre, priorize alguns passes,
Primeiro não posso, não digo, me calo.
Segundo odeio, ofendo, então eu falo:
“Me diga se posso, me diga o que posso,
Me diga que isso não é apenas fantasia!
Um mundo que é meu não existe no nosso,
Apenas me diga que acabou mais um dia!”.
Assim eu pressinto que logo chegaria a minha hora,
E que assim finalizaria uma bela e grande história,
É o meu momento tão eterno e cheio de glória,
Melhor ter um vazio dentro, do que um cheio fora.
Enrolei como uma concha, enrolei e enrolei.
Sou um híbrido humano, então chorei, então chorei.
E agora o que eu faço? Para onde devo seguir?
Posso acreditar nesta mentira que me faz ruir?

By: AleXander. PiLLs.

Feito em 16 de Março de 2014.