20.6.14

Influência Má

Feito em 19 de Junho de 2014...


Estou possuído por um ritmo maligno,
É coisa de horóscopo, tem a ver com meu signo,
E não posso mais dizer para você não me julgar,
É coisa indigna até mesmo de eu pronunciar,
Espere o tudo, absolutamente o tudo da minha cabeça,
E não finja que não sabe, não finja e não esqueça,
Estou rolando as palavras como torras descem a ladeira,
Pouco me importa se neste jogo você ficou sem cadeira,
Sou viciado neste ritmo maligno da cadeia,
Estou influenciado pelo mau que me consome e incendeia.
Nada mais me para, estou um passo na sua frente,
Todo dia você acorda e se depara com sua vida decadente,
Eu abro os meus olhos e me olho com um grande e belo sorriso,
Mostro os dentes na sorte, na proeza de um improviso,
E não estou sozinho para tentar fazer o que não se faz,
Estou na jogada e não posso mais dar para trás.
Eu não sou sua influência, não domino a sua opinião,
Mas devoro incessantemente sua vida e seu coração,
Passo a frente sem piedade, quem nunca tirou proveito?
Sou frio e indelicado, mas quem nunca teve um defeito?
Cometi vários pecados contra a minha alma perdida,
Mas acertei em me amar e apreciar a minha vida,
E toda vez que eu me drogo com este vicio de mortal,
Viro a sua influência contra a luta deste mal,
Tudo eu posso, tudo faço, tudo sou, este é um sinal,
Verde escuro é tão pouco, quero estar neste final,
E estou possuído por um ritmo estranho,
É coisa de uma tinta, um tom escuro e castanho.
E me encharco com o sangue do meu belo rebanho,
Porque não posso ficar sem me lavar, então me banho.
Mas quem nunca se sentiu instruído a não acertar?
E cair na tentação e por impulso só provar?
Levo sua mente a coisas impensadas e insanas,
Mas quem falou sobre vaginas ou sobre comer bananas?
Estou falando da influência e da maneira de como você pensa,
Pouco me importa se você tratar isso como uma ofensa,
Eu falo do vício, do início e da influência,
E falo da maldade com toda indecência,
Não peça pelo controle e nem mesmo pela prudência,
Não quero mais me arrepender ou ter uma crise de consciência.
Deixe-se levar, apegue-se a este cigarro,
Não quero mais pensar, e de início me agarro,
O que me empurra para este medo solitário?
Eu calculei a última jogada do meu adversário,
Qual vai ser o meu novo golpe publicitário?
Eu chorando agarrando um rosário?
Você me ofende dizendo algo assim,
Dizendo que nunca falou nada de mal de mim,
E hoje estou aqui influenciando este acontecimento,
Você está perdendo para mim e não há mais tempo,
E não finja que não sabe, não finja e não esqueça,
Espere o tudo, absolutamente o tudo da minha cabeça,
Quero ver provar para você mesmo que está errado!
Quero ver você viver com esta culpa do seu lado!
O que você esconde é pior do que um monte de cocô,
Você é feito de lata, mas eu sou um cyber robô,
Eu uso a minha cabeça e não o meu órgão genital,
Eu não preciso sair por aí ficando por tudo meu pau,
Pois tudo eu posso, tudo faço, tudo sou, este é um sinal,
Viro a sua influência contra a luta deste mal.
O que você acha que estou fazendo aqui por dentro?
Masturbando sua vida apenas com o meu pensamento?
Estou possuído por um ritmo maligno,
É coisa de horóscopo, tem a ver com meu signo,
Nada mais me para, estou um passo na sua frente,
Enquanto eu te influencio sua estrela decadente.

By: Minha Bunda.

19.6.14

Meus 21 Anos




Isto que escrevo hoje faz parte de uma descoberta, e não de uma resposta, pois não se buscam respostas no que já foi criado. Ainda sou os meus preconceitos ou julgamentos e busco ser alguém melhor. Acho que parte de mim é a própria descoberta do que é o julgamento. Julgo as coisas propicias para o meu entendimento do que é o mundo ou o que me cerca, e deixo escapar palavras ou pensamentos carregados de preconceitos criados pela minha mente, que trava uma batalha sobre o que eu devo ou eu não devo acreditar. E acredito nisto agora. O conhecimento sobre mim me ajudou a evitar possíveis falhas, e apostar em hábitos ou situações pertinentes as minhas potencialidades. Meus hábitos são todos velhos, adquiridos durante meus poucos anos de vida, hoje consigo perceber a importância de se abrir ao ainda inexistente. O novo se faz necessário em um mundo cheio daquilo tudo que é velho, de todos aqueles pensamentos mortos e aceitados como uma realidade que não condiz mais com a verdade. É animador saber que o que você gosta é aquilo realmente que você acredita. E mais animador saber que aquilo que você acredita transforma aquilo tudo que você vive. É como se a parte faltante das respostas fosse você, e tudo aquilo que você acredita fosse o meio de adquirir luz ao obscurecido. Estas descobertas se afirmam como uma verdade, que por mais difícil que seja veio de um processo doloroso. Mas deste modo, pude acreditar mais em mim e em tudo aquilo que afirmo com convicção que é certo, que é aquilo que eu quero ou busco. Como arquiteto em formação, eu aprendi que os padrões que seguimos sempre existirão e substituirão os vigentes, mas aprendi também que as pessoas que mais acreditaram nas suas potencialidades e espírito inventivo, foram aquelas que criaram estes padrões e mudaram o senso critico comum do que é correto. Sinto que acreditei nas reais formas de meu aprimoramento e em todos os marcos que fizeram de mim uma pessoa critica. Tenho muito a evoluir, mas deixei de lado o medo das descobertas. Hoje sou tudo que sinto, tudo que falo, tudo que amo e tudo que me faz verdadeiramente parte integrante de mim mesmo, um alguém mais feliz e consciente.

Vinicius Osterer