28.11.14

Permita-se

Feito em 28 de Novembro de 2014...
Eu não posso mais comer. Por que você me devora com os olhos.
Eu não posso aceitar. Por que vivemos em um pesadelo ilusório.
Eu não posso chorar. Eu não posso mostrar com o que eu me importo.
Eu não posso falar. Eu não posso querer me matar, por que senão sou morto.
O fim está próximo, e o próximo passo está tão longe do fim,
Eu não posso mostrar a minha arte e nem mostrar para o que vim.
Eu sou gordo, sou magro, eu sou preto e sou pardo,
Eu sou bonito e sou feio, eu sou alegre e sou amargo,
Eu uso camiseta comprida, cabelo amarrado e um calção largo,
Eu uso cor de rosa, sou vermelho paixão e sou enrolado.
Mas, eu não sou do seu grupo, eu não gosto daquilo que você faz,
Eu não uso roupas curtas e não costumo beijar um rapaz,
Eu não gosto do que você gosta então eu passei a ter um mau gosto,
E eu não vou com a sua cara, por que você encobre o seu rosto.
Desculpe se eu não falo do problema que é seu,
Se for seu não é um problema, é uma ofensa e não é meu,
Eu sou um vaidoso nato. Eu tenho um espaço em branco.
Eu sou um viciado, é fato. Eu não tenho dinheiro no banco.
Onde que eu fui me enfiar? Onde é que eu estou entrando?
Acho que aqui é o meu lugar. Meu Deus do céu quem está falando?
Aqui é permitido você viver o que não se vive,
Aqui é permitido você dizer o que não se diz,
Permita-se à liberdade e seja livre,
Permita-se à alegria e seja feliz.
Aqui é permitido, Jesus, o demônio e o mundo,
Aqui é permitida a vida que você sempre quis,
Permita-se a liberdade e seja mais humano,
Permita-se à alegria e seja feliz.
Aqui é permitida a minha vontade e o meu jeito,
É permitida a minha arte e o meu talento,
É permitido o inacabado e o que já foi feito,
É permitida a eternidade, é permitido o momento.
Aqui é permitido o seu sotaque e o seu trejeito,
É permitida a ruína e a pior desgraça,
Aqui é permitido o seu tipo, sim ele é aceito,
Aqui não se dá mais valor para uma raça.
Eu não sou mais do que carne, ossos e uma personalidade,
Eu não posso ser perfeito e eu não sou uma anormalidade,
Eu carrego em meu peito a minha maior dignidade,
De permitir viver o que eu sinto, de fazer a minha vontade.
Permita-se à falar o que você pensa e a fazer o que você quiser,
Vá buscar por um destino e aceite tudo o que vier.
Não existe defeito maior do que a falta de respeito,
Do que a agressão moral, do que ser privado de um direito.
Eu posso comer o que eu quero,
Eu posso aceitar o que eu quiser,
Eu posso chorar e eu posso falar,
Eu posso escolher ser um homem ou uma mulher.
Eu posso acreditar, por que este é o meu lugar,
Por que eu não sou vulgar e não existe mais nenhuma saída.
Eu não sou tão diferente, eu posso sim te aceitar,
Então se permita à lutar por tudo em sua vida.

By: Sebastien Cavendish

27.11.14

Sexo Lunar

Feito em 26 de Novembro de 2014...
Lua Pavorosa! Eu lhe amo, eu lhe amo,
Lua Pavorosa! Eu lhe chamo, eu lhe chamo,
No mais tardar amanhã é magia,
Magia negra, lua negra é nostalgia.
Sangue, puro sangue, eu matei, eu matei,
Sangue, puro sangue, eu te achei, eu te achei,
Lua pavorosa, iluminou o caminho para o demônio sedutor,
Que das trevas surgiu, da terra brotou, o meu amor, o meu amor,
Lua Pavorosa! Eu lhe quero sem ter dor, sem ter dor,
Lua Pavorosa! A noite do mestre, a noite do horror,
Mestre Zum, Mestre Zem, a lua é do meu senhor, amém.
Mestre Zum, Mestre Zem, a lua é o meu clamor, amém.
A-A-men. A-A-men. A-A-men. A-A-men.
Lua saia da sua nudez que me fascina,
Lua você hoje não é uma velha senhora,
Lua a sua luz me toca e me alucina,
Lua hoje eu ganhei mais uma vitória,
Sim Lua Pavorosa! Eu lhe amo, eu lhe amo,
Sim Lua Pavorosa! Eu não me engano, eu não me engano.
A beleza é tua. A doçura é você que é crescente,
Lua leve-me contigo, lua me deixe contente,
Eu quero seguir com você o caminho de uma estrela cadente,
Lua Pavorosa! Você é resplandecente, resplandecente...
E me mate e me leve. O seu sofrimento será maior.
E me leve e me mate. Eu sou o seu amante melhor,
Eu posso lhe encobrir com a nevoa,
Eu posso lhe conceder o meu pecado,
Lua, oh minha lua, eu quero transar com o seu passado.
Eu quero estar no seu presente, eu quero ser o seu futuro,
Eu quero brilhar com você, quero lhe ter com muito orgulho.
Lua me ame, eu quero o escuro e sou desajustado,
Eu já lhe provei com os meus dedos, já lhe provei que estou excitado.
Eu quero gerar contigo um universo visionário,
Eu quero rezar para você e queimar o meu rosário,
Quero você na minha ceia, na minha ocasião e no meu anuário,
Quero você e mais você, no meu desejo mais incendiário.
Quero você e todo o seu sexo lunar,
Quero gerar com você o meu sistema solar,
Quero agitar em você o meu suor e meu sonhar,
Quero tudo com você, quero viver e te procriar.
Eu não quero ser o seu brilho, eu quero seu lado escuro e pavor,
Quero a beleza que você esconde por trás do seu escudo incolor.
Oh minha lua pavorosa, eu quero puxar-te para mais perto,
Falar coisas em seu ouvido, agir de um modo mais indiscreto.
Oh minha lua pavorosa, eu quero lhe compor um soneto,
Quero desvirtuar a sua forma com meu vigor e meu esqueleto,
Quero poder partilhar para você os meus melhores dias,
Te encontrar todas as noites, todos os meses, em todas as alegrias,
Lua Pavorosa! Eu lhe amo e não me desespero,
Quero você nua sobre a minha cama e sobre estes versos,
E não se assuste, pois hoje lua, eu lhe espero,
Deitado sobre estrelas, criando contigo os meus universos.

By: Sebastien Cavendish

26.11.14

Muito Obrigado!

Feito em 26 de Novembro de 2014...
Hoje eu poderia estar aqui reclamando de dormir no sofá,
Poderia simplesmente vir aqui e reclamar por reclamar,
Mas hoje eu venho agradecer, por ainda ter um lugar,
Por ter motivos para viver, por ter motivos para lutar.
Eu poderia culpar os outros pelas minhas falhas,
Eu poderia sair buscar por uma vida, arrumar as malas,
E regrar os meus pensamentos e todas as minhas falas,
Poderia simplesmente lutar com minhas forças e garras,
Mas por um tempo, e em tão pouco tempo, eu consigo enxergar,
Sou mais do que o universo de reclamar por reclamar,
Eu sou mais do que um lado certo, sou mais do que este lugar,
Por que aprendi a não cair, e se cair me levantar.
Por que eu culpo um mundo que já está virado?
Como eu quero a justiça! Se eu julgo eu sou julgado,
Se eu culpo e dou desculpa, eu também serei culpado,
Mas agradeço por viver. Pela minha vida, muito obrigado!
A minha vida não é uma merda. Eu sou um positivista,
Eu sou um profissional da diversão e também sou um artista,
Eu pulei de um trapézio tentando achar um ponto de gravidade,
E encontrei a minha vida e com ela a minha felicidade.
Não existe um culpado, não existe motivo para reclamar,
Ou você encara o leão, ou o leão vai te devorar!
Mas me diga por que do choro? Você deve é se amar!
Se dar um valor extremo, ou você não irá mudar.
Isto pode sim ser puro, é ser feliz na sinceridade e se encontrar,
É sorrir entre as lágrimas, expulsando o desespero, recuperando o ar.
É não querer uma metade e ir buscar o seu inteiro,
É não culpar o mundo e ir buscar pelo seu valor verdadeiro.
E muitas foram às vezes em que minha consciência pesou,
E depois dos meus problemas, eu sei que algo enfim mudou,
Mas cadê a minha culpa? E quem disse que teve algum culpado?
Amar é amar a tudo. Amar não é escolher um lado.
Um amor não é amor quando apenas é idealizado,
Quando não existe cumplicidade, apenas sentimento individualizado.
Eu nunca fui um paranoico, não tente deixar isso ridicularizado,
O que eu tinha que provar, eu já provei e isto é passado.
Como você acha invenção coisas que duram anos e meses?
Eu fui verdadeiro por inteiro, e tentei não desistir tantas vezes,
E não estou mentindo, eu já fui capaz de amar,
Mas chega uma hora que você simplesmente desiste e para de tentar,
Onde você não sabe mais o que fazer, para se fazer acreditar,
Que você não é o passado, nunca traiu, é diferente e não é vulgar.
Eu não posso culpar você. E você não pode me culpar.
Se existem coisas na vida que começam, algumas irão ter que acabar.
E este texto passou para um lado bem estranho,
Para mim foi sofrimento, mas também foi um grande ganho,
E hoje eu cresci me espiritualizando no meu banho,
Preciso mudar a cor do meu cabelo, quem sabe para um castanho.
Poderia hoje reclamar por você me fazer dormir no sofá,
Perdi o meu quarto e a minha vontade de fazer e de criar,
Eu já lhe dei o meu mundo uma vez, e a minha maneira de amar,
Chegou a hora de crescer, de buscar um motivo maior e se libertar.

By: Sebastien Cavendish

25.11.14

911 - Help me!

Feito em 25 de Novembro de 2014...
Eu ainda não entendi qual foi o meu grande erro,
Eu já fui preto, já fui amarelo, e já me entreguei por inteiro,
O que você quer ouvir? O que você já fez por fama e dinheiro?
O que você quer mudar? Quer verde, azul, quer um cabelo vermelho?
E o que eu faço com as personalidades múltiplas do meu armário?
O que eu posso ainda fazer para ser um artista visionário?
Como eu posso te agradar e modificar as roupas que você usa?
Como eu posso gargalhar enquanto você me suja e me abusa?
A minha opinião ainda faz algum sentido?
Por que parei para chorar e observar o já ocorrido?
Quantas doses de comprimidos eu ainda tenho que tomar?
E por que alguém no mundo ainda tem que me observar?
Qual é a sua palavra? Do que você acha que eu sou feito?
Eu sou um pedaço de carne com nome, número e endereço.
Qual é a prova? Sim, eu nunca fui perfeito,
Sou um pedaço vagabundo de cor, de gosto e de adereço,
Eu não posso mais aguentar, e enfim eu reconheço,
Não tenho mais que agradar, mas obrigado, eu lhe agradeço.
O que você quer de mim? O que eu ainda tenho que mostrar?
Que eu sou um pedaço do mundo, que você quer tanto ver acabar?
E o que você quer ouvir? O que eu tenho que falar?
Será que eu devo mentir? Será que eu devo gritar?
Eu já cansei de me ver tantas vezes em um espelho.
Eu já fui tanto Ayke. Já fui JeAAne, um RiCke e um coelho.
O que mais eu posso ser? Estou entrando em desespero.
Não está na hora de crescer? Não está na hora do exagero?
Como eu devo planejar? Como eu devo começar a lhe entreter?
Como eu devo aguçar? Como eu devo lhe explicar que vai morrer?
911 – Help me! Estou entrando de cabeça em um colapso,
911 – Help me! Eu não consigo mais controlar o que eu faço.
911 – Help me! Estou desmaterializado, estão caindo os meus pedaços,
911 – Help me! Eu não sei mais o que sou, onde estou não tem espaço.
Eu estive vomitando para ganhar a sua atenção,
Eu estive recebendo aplausos de uma multidão furiosa,
Eu estive rezando e decorei os versos com mais emoção,
E não sei mais se gostam ou se querem uma vermelha rosa.
Sim eu consegui. Eu pintei um quadro com os meus universos.
Tantos egos se passaram e se afogaram em alguns versos.
E se eu precisar de ajuda? Do que eu preciso para me salvar?
Todos os meus pecados se foram, por que eu não sei mais como amar.
Qual é a prova? Do que eu sou feito?
Um garoto ideal tem nome, número e é perfeito,
Mas eu sou apenas carne e eu já nasci com um defeito,
Se eu quero sempre o errado como eu posso escolher o direito?
911 – Help me! Estou caindo espiritualmente em um abismo,
911 – Help me! Eu não consigo mais me controlar e já aviso,
911 – Help me! Estão caindo os meus pedaços e já cansei de cinismo,
911 – Help me! Eu não sei mais o que eu sou, onde estou? Canibalismo!
911 – Help me! Eles comeram o meu último pedaço.
911 – Help me! Eu estou entrando em um colapso!
O que você quer que eu mude? OMG eu entrei em desgraça!
Se eu fizer você não se assuste. Eu te venci e perdeu a graça.

By: Sebastien Cavendish