31.3.16

Sonho Cigano

Eu estou amando o meu sonho cigano sem limites,
Estou andando em círculos ao redor do mesmo lugar,
Meu coração não vence de tanto dar piques e mais piques,
O meu sonho é americano, do sul de onde se pode morar.
Este aqui é o meu lugar. Este aqui é o meu lugar.
Tão ao sul do meu pensamento que não consigo respirar.
Eu me casei ontem com a minha própria compaixão,
Eu estou me dando um valor e um grande motivo,
Não sou mais o mesmo, estou convicto que meu coração,
Me transformou em uma lembrança do meu tempo retroativo.
Estou amarrado dentro de um sonho cigano que percorre o mundo,
Que enche os olhos e me diz o quanto é bom se amar,
E a minha vontade é de correr e de pular em um oceano profundo,
De palavras, de sentimentos que nunca ousei criar.
Por que este é o meu lugar. Este aqui é o meu lugar.
Tão ao sul do meu momento que não consigo mais pensar.
Estive lendo por um bom tempo as coisas que precisava ler,
E estive comedido por um momento dentro do meu próprio pensamento.
Agora eu acho que estava precisando parar para escrever,
E colocar em ordem as coisas e as ideias que tenho por dentro.
Eu estive viajando pelos lugares que os escritores escreveram,
Estive inserido nas histórias para esquecer da minha vida,
Aos poucos as nuvens que cobriam o meu céu se moveram,
E eu pude enxergar que era um cigano dentro de uma partida,
Sem destinos pré estabelecidos, ou concepções que já existem,
Sem malas ou expectativas, um personagem principal da minha história,
Enquanto os senhores de cara feia fazem platéia e me assistem,
Eu vou deixando registrado o que tenho na minha pequena memória.
Dentro do meu sonho americano, do sul de onde eu posso me manisfestar,
Este aqui é o meu lugar? Este aqui é o meu lugar?
Badalam os sinos que anunciam que eu estou chegando,
Que eu estou prestes a fugir desta cidade e ir embora em caravana,
Eu peguei o meu dinheiro e acabei me empolgando,
Estou em romaria em nome de Jesus, Maria e mais alguém que me ama,
Eu estou em uma tenda, com os princípios da minha fé de nada,
Estou casado com a bruxaria dos astros de uma via láctea distante,
Com uma trupe delirante de viciados em água oxigenada,
Que me faz mudar a cada dia dentro de uma condição que é constante.
Eu não consigo evitar a visão que eu tive em um jogo de cartas,
Que predestinava o destino cruel que eu ainda teria,
Seria nascido como o “Sr. Nasci para Perder”, e durante as quartas,
Eu fugiria para lugares que nem eu mesmo reconheceria,
Por que eu acho que este aqui não é mais o meu lugar,
Tão ao sul de lugar nenhum, onde ninguém consegue chegar,
Sim, eu mudei e agora eu sei que aqui não é o meu lugar,
Distante do meu sonho tão cigano onde ninguém poderá me amar.
Sim, onde ninguém poderá me amar.
Tão ao sul do meu momento que não consigo mais pensar.
Eu quero ser um bom garoto, ter um pouco de piedade,
Quero observar o mundo das outras pessoas e poder sobreviver,
Quero partir sem olhar para trás ou ter alguma saudade,
Do que eu deixei para poder me transformar e enfim crescer.
Me leve com você? Você pode me guardar no seu bolso,
Eu posso ir dentro da sua mala escondido, ninguém vai notar.
Eu posso ficar silencioso e não lhe causar nenhum desgosto,
Tenho certeza que ninguém irá lhe persuadir ou lhe afrontar.
Eu tenho espaços vazios, tenho mundos desconhecidos,
Tenho um sonho cigano de ir até onde eu aguentar,
Os meus pés querem conhecer as partes dos solos adormecidos,
Onde há muito tempo nenhum homem mais quis pisar.
Eu estou amando o meu sonho cigano sem limites,
Estou andando em linha reta buscando o meu final,
Meu coração não vence de tanto dar piques e mais piques,
Dentro de uma fantasia que parece um tanto quanto real.

By: Vinicius de Góis
Feito em 20 de março de 2016.

27.3.16

Ressurreição

Não existe espaço para a arte da realidade,
O que eu posso fazer para lhe agradar?
Me diga que o seu sucesso vem de alguma maldade,
Que eu piamente acredito sem ao menos questionar.
Eu quero purificar o que você tem por dentro,
Colocar um pouco mais de minha influência abusiva,
Sem trazer ofensa ou lhe causar algum tormento,
Sem pensar ou racionalizar uma voz calma e passiva.
Eu sou um grande atirador de palavras, capture-as no ar,
Como balas que saem quentes de revólveres clandestinos,
Eu sou o senhor de uma tarde estranha que resolveu chegar,
Para estragar e arruinar, mudando alguns destinos.
Eu sou filho de uma vida de merda, de uma classe social assassina,
Que mata um cachorro a dente por dia para poder sobreviver.
Sou o jovem de aparência medonha, com a canela muito fina,
E não nasci para lhe agradar ou para lhe dar o que você quer ver.
Eu posso ser a sua igreja vazia e sem oração,
Eu posso criar e desenhar para você um mundo idealizado.
Eu posso aceitar só ser mais um na multidão,
Mas não posso me iludir ou simplesmente ficar calado.
A luta continua, sempre vem do meu lado externo para o interno.
Sempre existe batalhas para quem quer ir além do seu limite.
A grandeza não possui um valor que é extremamente eterno,
Quando a palavra que é selecionada não emite valor e se omite.
Não existe mais grandeza na arte da realidade,
O que eu posso fazer para você não ser mais vulgar?
Os platônicos pensamentos sobre a arte da criatividade,
São idealizados em outro plano para depois prosperar.
Eu posso pintar um arco-iris ou ser um caldeirão de matéria escura,
Eu posso fingir que sou cego e que não tenho mais salvação,
Eu posso enlouquecer e fugir sozinho gritando pela rua,
Por que simplesmente cansei de não mais chamar a sua atenção.
Eu não quero ser mais um animal solitário que geme de dor,
Ou um homem antigo e ultrapassado com ideias presas na frustração.
Eu quero persuadir a sua personalidade e lhe mostrar o calor,
Que eu faço brotar do meu coração de gelo e da minha escuridão.
Eu sinto o meu coração batendo mais forte nesta rima,
Eu estou livre e estou pairando sobre a minha própria limitação,
E não sei mais o que posso ver daqui de cima,
Se eu sou a cópia barata ou se eu sou a inspiração.
Queria poder lhe dizer o que as palavras escritas melhor significam,
Queria poder compartilhar o que este mix de letras não traduz,
Mas seria o mesmo que pedir para que alguém me crucifique,
Assim como Jesus morreu em uma tarde nublada em uma cruz.
E não posso dizer que este texto é a minha sexta feira santa,
Pois é o meu regresso em uma Páscoa de um domingo de ressurreição,
E não sei por que considerar isto ofensivo, por que isto lhe espanta,
Eu já me perdi outras vezes durante o meu caminho e na minha solidão.
Não existe um lado de fora material e um espaço limitado,
Não existe pensamento que não possa ser substituído,
O maior segredo que nos é sempre revelado,
É aquele que mais tentamos manter oculto ou escondido.
E não existe chance para a arte da realidade,
Como eu posso saber se isto ainda vai continuar?
Se a palavra é de ferro e baseada na verdade,
Eu subi aos céus no terceiro dia para ressuscitar.
O espaço imaterial está me consumando,
Eu não estou acostumado a comer a antimatéria,
As palavras estavam presas me sufocando,
E me deixando mais agravado da minha própria miséria.
Escrever não é a minha, não está sobre minha perspectiva,
E é frustante se escrever apenas por mais letras e sons,
Eu acho que não tenho mais nenhuma alternativa,
Virei um punhado de balas e umas caixas de bombons.
Não ame a sua convicção cega que lhe diz que você é correto,
Fuja da amargura de palavras certas e sentimentos exatos,
Procure o que não for ofensivo e mantenha sempre por perto,
Uma saída de ressurreição para não se viciar pelos fatos.
Não existe espaço para a arte da realidade.
Sim isso é verdade, a arte da realidade.
E não quero mais persuadir nada e ninguém. Ponto final.

By: Vinicius de Góis
Feito em 20 de março de 2016.

16.3.16

Livros Publicados

Se você não achou textos já publicados é por que foram retirados e já estão selecionados dentro de duas primeiras obras publicadas:


Ainda este ano serão lançados os demais 6. Fique a vontade!!! Não pararei de escrever aqui.... Um passo que já deveria ter dado a muito tempo! Obrigado!!

Att. Vinicius Osterer.