17.7.16

Ode à Bruxa do Demônio

Bife de fígado – FÍ-GA-DOOO!
Bife de fígado – fígado – FÍ-GA-DOOO!
Foi horrível, parecia uma bruxa de corpo aveludado.
Foi bife de fígado para todo lado!
Uma bruxa do demônio com olhar macabro,
Em uma sexta feira santa, regada pelo pecado.
Bife de fígado – FÍ-GA-DOOO!
Bife de fígado – fígado – FÍ-GA-DOOO!

Garoto do cinema você é uma refeição completa,
Larga a bruxa do demônio em uma casa na floresta,
E vem provar a carne e o bife da minha boca.
É um doce de figo – FI-GO-OOO!
Doce de figo – figo – FI-GO-OOO!
Garoto do cinema você é um figo e um doce,
Foi a bruxa do demônio que lhe trouxe,
Larga essa pipoca e vem provar a minha boca.

Não é coisa de amor é só um petisco,
Um bife de fígado com gosto ruim no início,
Um bife de fígado – fígado – FÍ-GA-DOOO!
Eu não tenho obrigações com uma velha bruxa,
Bruxa do demônio, que só fala mentiras e baboseiras.
Mas eu quero trepar com você e com ele.
Quero a refeição completa que tem gosto de Figo!
Um doce de figo – fígado – FI-GO-DOOO!

Estou pensando com a cabeça de baixo e não com o coração,
Jovem garoto do cinema o seu silêncio é sedução,
E esta ode é para você e sua amiga bruxa,
Uma bruxa do demônio para ninguém colocar defeitos.
Estou partindo com o meu desejo e você então me puxa,
Para beijar o seu corpo e me prender entre os seus peitos.
Com sua boca de baixo provando até meu fígado,
A refeição completa de um Fígaro.

Foi bife de fígado para todo lado,
Uma bruxa do demônio com o corpo aveludado.
Jovem garoto do cinema o seu silêncio é sedução.

By: Vinicius Osterer
Feito em 08 de Julho de 2016.

15.7.16

Platão e A República

Eu estou tentando e isso não significa que poderei mudar,
Não consigo mais em palavras me expressar e reclamar,
A vida é justa! Sim, a vida me parece bem justa!
E se justiça for o que procura, leia Platão e A República!
Não leia um ninguém que não sabe mais escrever nada produtivo,
Reclama da vida sem conseguir descobrir qual é o problema e motivo,
A vida é justa! Sim, a vida me parece bem justa!
Injusta é a forma que as coisas chegam e vão,
E injusta é sua opinião sem saber absolutamente nada sobre mim,
Sabe apenas o pouco que eu quero mostrar, não se engane não,
Quer saber o problema? Não sou eu, que você se engane sim,
A vida é justa! Sim, a vida é bem justa!
A vida é um sapato de número menor que você tem que calçar,
E isso parece um motivo muito bom para parar de reclamar.
Esse sou eu e nem sei mais sobre o que escrever,
As palavras não querer mais chegar, e não consigo entender,
Se isso tudo é minha obsessão ou se as coisas que vejo são reais,
Tantas coisas que eu leio que parece que isso não tem mais importância.
Queria uma literatura com seres mais maduros e sobrenaturais,
E com menos sobre mim e a minha total ignorância.
Isso não me parece ser justiça, isso sim não é justo!
E isso é um motivo sem sentido para expressar uma opinião,
Por que não falar sobre ser um produto com um custo,
Fruto de um trabalho que não vale nem mesmo a produção?
Tenho muita coisa guardada, mas não quero escrever sobre isso,
Não quero por nomes e nem cair dentro dos mesmos vícios,
Por que aqui é um momento sublime de criação,
Onde a letra encontra a palavra e forma a oração,
Com junções e gramática e rima com sentido,
A vida é justa e não precisa de nenhum motivo,
Assim como eu não preciso explicar o conceito de justiça,
Não sou filósofo e nem mesmo um sociólogo idealista,
Sou um homem crescido, de vanguarda e abstracionista,
E isso não tem nada a ver comigo. Isso são apenas palavras.
Estou mentindo para mim mesmo, você não pode existir,
Estou amando e estou odiando, duas pessoas diferentes.
Minha mente está quebrando e não consigo mais sentir,
O que sentia como no passado de outra vida de antigamente.
Por que eu acho que sou a reencarnação de uma alma atormentada,
Pelo ódio e pela injusta. Mas a vida é justa, então não reclame!
É errado amar uma pessoa que parece que foi fabricada e montada,
Com os gostos e meus hábitos? Só peço que me ame!
Não que me odeie pela porcaria que escrevo e que sou.
Isso não me parece ser justiça, isso sim não é justo!
Não leia um ninguém que não sabe mais escrever, o que sobrou?
Um produto que parece não possuir nenhum valor e nenhum custo.
Estou amando e estou odiando, duas pessoas diferentes.
Estou amando e estou odiando, duas pessoas diferentes.
Por que não sei o que é ter um senso crítico de justiça.
E se justiça for o que procura, leia Platão e A República!

By: Vinicius Osterer
Feito em 06 de Julho de 2016.

13.7.16

A Sociedade Alternativa de Um Maluco Beleza

Tem que acordar todo dia pela manhã,
Levar os filhos para o colégio, enfrentar outras pessoas no trânsito,
Quando se tem filhos e se tem um carro,
Quando não se tem que enfrentar um metrô ou um ônibus,
Com pessoas e mais pessoas que chegam a sair pelas janelas.
Quando não se pergunta: “Por que colocar filho no mundo?”
Se trabalha de um modo mecânico por horas a fio do dia,
Com uma parada também mecânica para o almoço,
Quando se tem o que comer, ou quando se tem para onde ir trabalhar.
E se consome tantas porcarias e mais porcaria,
Quando se tem dinheiro para consumir num sistema de consumo.
E vive com tanta porcaria,
Tem que engolir tanta porcaria,
Por que você precisa sobreviver e pagar as suas contas no fim do mês,
Ou conversar com alguém sobre os problemas da sua vida.
E vai todo domingo na igreja, quando se tem fé.
Quando se acredita em Deus, ou quando ainda existe esperança de salvação.
Ou não se vai na igreja, se vai ao culto ou ao terreiro,
Com a mesma convicção que resguarda a alma de algum mal.
Não percebe que o mal é você mesmo. Não percebe mais nada.
E quando percebe já não existe mais tempo para nada,
Tudo sempre é muito tarde. Tarde muito é sempre tudo.
Nada para tempo mais existe não.
A sociedade alternativa de um maluco sem noção?
Frente para trás de frases as ler para tempo tem não você.
Isso é arte para a sociedade que ninguém mais observa e nem vê.
Por que o homem que trabalha é invisível na multidão,
É mais um e isso nunca vai mudar a sua condição.
Nada para tempo mais existe não.
Eu sou um homem invisível e indivisível, sem um refrão.
A sociedade alternativa de um maluco sem noção?
A sociedade alternativa de um maluco beleza!
Por que o que eu faço tem um valor menor se eu trabalho?
Por que eu tenho um valor menor do que outra pessoa?
Eu não consigo compreender essa lógica do caralho!
Eu não consigo parar de pensar e ficar à toa!
Eu sou uma pessoa! Eu sou uma pessoa!
Um animal racional, que lê e sabe que pensa,
Um trabalhador que luta pela dignidade e pela decência,
Eu sou um homem, sou maluco, sou alternativo e sou Seixas,
Sou um brasileiro miserável de muitas mazelas e queixas...
Tenho que engolir as porcarias que colocam a comida na mesa,
Quando eu tenho mesa e tenho o que engolir.
Eu sou a vítima de uma pessoa que sempre sai ilesa,
Por que tem imunidade e pouca coisa para cumprir.
Não importa se você é velho, se é jovem ou se é criança,
Não importa nada, você não faz parte da sociedade.
Enquanto alguns comem e ficam coçando a sua pança,
Você trabalha de sol à sol sem o direito à sua cidade.
Por que colocar filho no mundo?
Por que trabalhar e trabalhar e não ter nada?
A sociedade alternativa de um maluco que não é mudo,
É a beleza do amanhã e de uma chegada.
A sociedade alternativa de um maluco sem noção?
A sociedade alternativa de um maluco beleza!
Nada para tempo mais existe não.
Eu sou um homem invisível e indivisível, sou a pobreza.

By: Vinicius Osterer
Feito em 06 de Julho de 2016.

6.7.16

Tudo Deve Estar Errado!

Vocês acreditam em libertação cármica?
Sabe, eu estava pensando hoje e comecei meio que acreditar.
Parece que as coisas são o que elas devem ser, na hora certa,
Mesmo se nós lutamos todos os dias para que elas cheguem antes.
Eu me sinto tão ridículo pelo que eu escrevo.
Me sinto um completo idiota. Queria algo mais significativo.
Mas acho que a minha vida não é tão significativa assim,
Existem milhares de pessoas com vidas mais significativas por aí.
Inúmeras pessoas que vivem problemas bem maiores que os meus.
E eu não faço nada por eles e por elas.
Eu não faço nada nem por mim, diga-se a verdade.
Eu estou comendo enquanto muitos não comem,
Ou mal conseguem fazer para comer.
E fico me perguntando por que ter uma constituição que não presta?
Por que ter um poder político se não presta?
Isso tudo me enoja. São gente assim como eu sou.
O que o poder não faz com uma pessoa?
Isso é tão nojento. E esse texto é mais um desabafo,
É mais um desabafo da realidade que eu vejo e que não faço nada.
Por que? Por que fico aqui escrevendo e me calando,
Enquanto lá fora estão cada vez mais tirando,
Aquilo tudo que também é meu, porra!
Não é errado acreditar em uma sociedade sem rótulos e classes.
Mas e quem é que quer isso? Eu mesmo acho que não quero.
Bem lá no fundo ninguém quer.
É bom ser diferente dentro de uma sociedade de iguais.
E isso já é um rótulo. É a propensão ao racismo, ao ideologismo,
A praga do individualismo que assola todas as pessoas e lugares.
Sempre colocamos mais o nosso lado, sobre o lado dos outros.
O espaço que é meu, o jeito que é meu, a vida que é minha.
Não se fazem coisas pela coletividade, se não for para um grupo.
Por que como eu odeio grupos. Eu odeio do fundo do meu coração.
Mas eu sou um dos tantos que frequenta grupos:
Os de amigos, os da universidade, os daqueles que nem sei o nome.
E como ainda posso querer acreditar que o que eu faço é bom?
Existem milhares de pessoas por aí que são boas,
E milhares de pessoas e mais pessoas,
E eu sou uma dentro de vários milhões.
Eu sou uma que forma esse vários milhões.
E eu ainda espero que alguém faça a minha parte,
Por que eu penso nos meus interesses, nos meus gostos,
Nas minhas vontades, na minha classe e no meu grupo.
E quanto as outras pessoas? São só as outras pessoas?
Isso deve estar errado!
Eu devo estar errado!
A sociedade deve estar errada!
Tudo deve estar errado!
Esse texto deve ser o conceito do que é o erro.
Só não é errado acreditar em uma sociedade sem rótulos e classes.
Uma alma dentro de vários corpos, é pedir muito?
Alguma coisa deve estar errada também comigo, interno à mim.
Eu sempre fui um homem individualista e egoísta, dono da razão.
Mas hoje eu acredito em libertação cármica.
As coisas acontecem da maneira e na hora que devem acontecer.

By: Vinicius Osterer
Feito em 01 de Julho de 2016.