9.5.17

EU SOU

E se o mundo machuca? Machuca muito.
Você consegue entender isso que se passa aqui dentro?
Esse punhado de dor e tormento?
Talvez por um momento eu tenha feito a coisa errada,
Mas minha vida é toda errada, e isso pode se justificar,
Não receber e apenas dar,
Muito pouco para se amar,
Do que eu tenho que me orgulhar?
Três passos para trás na minha história:
“Criança por que você chora?”
“Porque esta dor não passa!”
Não estou na ruína nem na desgraça,
Só não vejo mais nenhum futuro.
Um letreiro sobre o meu muro:
“Experimenta!
Quem provou diz que não aguenta!”

Hoje eu sou um homem inútil e amargurado.
Despido de mim mesmo, sem me sentir culpado.
O problema sou eu e essas paredes cheias de vento,
Da grandeza que escapa sobre meus dedos...
Meus fracassos e minhas incertezas...

Automutilação pode ser o meu testamento.
Dia 14 de Maio sem nenhum sofrimento.
Vai ser o meu melhor trabalho.
Selva rubra, unha de gato, trepadeira.
Muro antigo erigido por uma outra civilização,
Em pé ainda, representa de alguma maneira,
O fim da minha raça. A minha grande extinção.

Passo Número 01
Não que me importe muito com a relevância destas informações, e muito menos se isso vai contra toda a porcaria que vejo sobre tirar a própria vida. Estou me machucando novamente. Meu número de vida sempre foi o quatro. Não poderia ser diferente na morte. O passo número 1 consiste basicamente em relembrar as coisas que me fazem ser aquilo que eu sou, este homem beirando os 24 anos de idade. Para isso irei me abster de bebidas alcoólicas e meditar uma hora por dia nesta semana. Não quero adiantar o processo. Meu trabalho não pode durar menos do que um mês. É simples: vou me matar na data do meu aniversário. Mais simples: sem ninguém saber nada sobre isso, deixando que o acaso resolva este resultado, dando-lhe alguns dias de tempo.

Passo Número 02
No dia 24 de Abril, segunda pós feriado prolongado, irei tirar do modo rascunho todos os meus textos deste blog. Estarão disponíveis para quem quer que se seja. E neste ponto terei que ser justo: mesmo que deteste aquilo que escrevi deverá voltar a ser publicado. Neste mesmo dia irei arrumar uma caixa de papelão, pintar ela com cores e desenhos bonitos e colocar meus cadernos de rascunhos. Tudo aquilo que eu fiz estará lá dentro.

Passo Número 03
Agendarei todas as publicações futuras deste blog juntamente com as da página “Senhor da Madrugada” no facebook. Os livros continuarão a serem divulgados na progressiva ordem: dois por semana. Os textos deste blog permanecerão sendo divulgados nos dias 16, 18, 19, 21 e 31 de Maio.

Passo Número 04
Organizar um luau de aniversário com todos os conhecidos mais próximos. Este evento deverá ocorrer na madrugada do dia 13 para 14. Se este fato ocorrer, no texto intitulado: “Parabéns Para Mim!” a imagem deverá ser uma foto desta festa, com todos os convidados.

Passo Número 05
No domingo do meu aniversário as 17 horas e 45 minutos (horário do meu nascimento) irei tentar pela quarta vez cometer este ato. Dando-me chances de que se algo não der certo, ainda terei algumas horas antes de acabar o dia, para tentar de outra forma mais dolorosa.

Observação Geral
Não sinta-se culpado por isso. Ninguém deve se sentir culpado por isso. Eu não tinha perspectivas sobre mim mesmo. E em nenhum momento quis tratar isso com deboche, ou com cinismo. Minha morte estava premeditada para daqui a 3 anos. E se me pedir por quê, eu digo que é sobre essa mística envolvendo os 27 anos. Essa mística cega que a indústria do entretenimento me faz acreditar ser bonita, me engrandecer. Porém, não posso esperar por tanto tempo. Minha dor é minha dor, e sabe, eu mesmo acredito que ela nem seja tão grande assim para um ato de extrema... Não seria violência, me perdi nas palavras... Não é também crueldade, por que milhares de pessoas morrem assim todos os dias, sem terem a convicção e perspectiva de que deve ser bonito e sem dor. Então, provavelmente publicarei isto no dia 09 de maio, dando um tempo para segundas ou terceiras chances. Mas eu quero morrer, e isso não me torna mais fraco. Sempre acreditei em sinais. E quero saber se isso de fato é errado. Mas não se sinta culpado! O mundo não foi feito para mim. E até cansei daquela frase: que devo construir um mundo só meu. Eu cansei de construir coisas. Cansei de erguer muros que me levam cada vez mais para lugares distantes daquilo do EU SOU.
Não quero ser lembrado como um suicida. Nem mesmo ser lembrado. Só quero poder saber o que me espera do outro lado, cruzando a linha que me separa desta vida e desta encarnação. Me jogando para o carma da Roda dos Renascimentos, me vendo por fora, como simples matéria decomposta.
E por que meu aniversário? É simples... Posso agradecer sem parecer dramático. Posso pela primeira vez na minha vida não querer aparecer ou deixar alguma marca. Poder morrer dentro da minha própria decadência poética. Dentro dos meus fracassos pessoais e amorosos. Dentro deste ser humano imoral e inútil que acabei me tornando. Dentro desta carcaça feita com ossos, com desprezos e com desejos utópicos. Por que eu gostaria de acreditar nos meus sonhos, vender sonhos, realizar sonhos. Mas o que faço é poesia. E isso é tão baixo, tão falso, tão MIM, tão EU SOU.
Amem por mim aquilo que nunca pude amar, e coloquem sobre mim a escuridão da humanidade. Jogue sobre mim todas as suas tristezas. Enterre comigo seus desejos mais sombrios. Não posso salvar a humanidade, pois assim como a humanidade estou sem salvação. Mas posso plantar flores, abaixar as armas e as pedras da minha mão.
Não sinta-se culpado por isso, só quero não ter mais problemas, não amar aos extremos, não precisar explicar o que sou, como estou, aonde vou... Quero simplesmente adormecer dentro da vida e deixar de ser esta varejeira dramática, com futuro promissor que nunca chega, reflexo daquilo tudo que tanto falo e nunca faço.
Poesia foi para o espaço...
Continuo tentando achar vida onde não existe...
Não é triste...
Apontando meu telescópio para além da matéria...
É isso que EU SOU.
Um punhado bem grande de morte!

By: Vinicius Osterer
Feito em 17 de abril de 2017.

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Prometo que não irei fazer isso... Não mais. Um bonito anjo da guarda acabou me ajudando, e estou em tratamento novamente. Estar depressivo é uma doença. E estou doente, mas estou com ajuda agora! :D

      Excluir
    2. Reconhecer que precisamos de uma ajudinha a mais é sempre bom, não é? Que este anjo continue fazendo o que puder de melhor na tua vida.

      Fique bem!

      Excluir
    3. Obrigado! Desejo tudo de melhor tbm para vc! :D como aquela frase já tão usada: O que não nos mata, nos fortalece!

      Excluir