19.7.17

Melhor

Chora baixinho para ninguém escutar,
O mundo não pode saber que você também chora.
Respira fundo mesmo que lhe falte o ar,
Pense no que é bom para você agora:
A lua no céu, o sorriso manso, o amor que não deu,
Tudo aquilo que você mesmo prometeu,
A existência dos seus últimos vinte e quatro anos.
Quando virá o vento derradeiro
Que me varrerá da face da Terra?

Eu sou o meu melhor trabalho,
E todas as cores e tonalidades possíveis.
Estou melhor, bebendo o orvalho,
De todas as palavras que são visíveis,
Quando a luz do sol rompe a escuridão da noite,
E meus olhos percebem que chorei de madrugada,
Porque sou um padrão de cor e de nada,
E sou o melhor daquilo que posso ser.

Chora baixinho, não faça barulho,
Cubra a cabeça com medo do escuro,
Espere o sol romper a barreira,
Que te prende ao pé da cama.
Não é a última e nem a primeira,
Das tantas vezes que chorei por ser alguém que ama,
Pela existência dos meus vinte e quatro anos.
Mudar de cor e mudar de planos,
Chorar na poesia para ninguém escutar,
Fazer um milagre para poder me amar,
E continuar sendo o meu melhor trabalho,
Então chore!

By: Vicenzo Vitchella
Feito em 26 de Junho de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário