12.8.17

Ultimato

Não reme contra a maré

Se ama, ame
Se é, seja
Se gosta, goste
Você tem este direito.

Não jogue com outras peças,

Se quiser, queira
Se doer, que doa
Se pensarem, que pensem
Mas não tire o direito de ninguém.

Então reme, não ande contra a corrente,
O vento e a chuva não são mortais para você,

Se curta, imagine
Desligue o celular e conte estrelas.

Leia um capítulo, escreva uma carta
Saia e observe, absorva
Se chorar, chore
Se cair, caia
Se perder, perca
Nem sempre tudo é tão brilhante.

Não volte para o armário,
Não seja silenciado.

Coloque tudo no lugar
Compondo o seu ultimato.

Não seja cego, surdo e mudo.
Nem amargo, rancoroso e pessimista.
Se beber, beba
Se falar, fale
Não entre em rodeios, indo por círculos.

Se escolher, escolha
Se errar, erre
Se descabele
Dance até faltar ar.
Mas ame, é bom amar
Serei lembrado como o colorido?
Ultimato dolorido
Faça, faça, faça.

Se estiver na ruína não entre em desgraça
Eu não sou um festival, vendaval, opção e estilo
Nem uma arma carregada para matar.
Feche os olhos, sonhe com aquilo
Não lembre daquilo
Tudo é tranquilo
Um dia eu entro na demência?

Beije, abrace, reconheça
Mas ame, ame, se ame, dê valor
O que seria a vida sem o amor?

Você tem este direito.

By: Vicenzo Vitchella
Feito em 02 de julho de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário